Giro do Vale / Destaque / Polícia / Vale do Taquari

Traficantes planejaram execução de juíza usando dados repassados por PM do Vale do Taquari

Documentos foram apreendidos nesta manhã na casa do policial militar.

A Polícia Civil descobriu um plano de traficantes da Região Metropolitana de Porto Alegre para executar uma juíza, os familiares dela e policiais. Todos os dados dos possíveis alvos teriam sido repassados por um policial militar que atua em Vespasiano Correa no Vale do Taquari. Um mandado de busca foi cumprido na manhã desta sexta-feira, dia 11, na casa do brigadiano.

O motivo da ação hoje foi encontrar mais provas sobre as informações sigilosas repassadas aos criminosos. O soldado, que também vai responder a processo administrativo, é suspeito de acessar dados no sistema de segurança para os traficantes. Não se descarta o envolvimento de outros PMs.

Plano

A quadrilha pretendia se vingar dos policiais que prenderam mais de 120 traficantes a partir de uma megaoperação, a Clivium, realizada em junho do ano passado. Agora, o grupo, que tinha base em Gravataí, está sofrendo uma devassa financeira através de apreensão de bens e de bloqueio de contas bancárias.

A juíza atuava no município na época da investigação e concedeu aos policiais os mandados de prisão e de busca. Ela também aceitou as denúncias que viraram processos judiciais, são cerca de 40. Ela, devido às ameaças, foi transferida para outra comarca. Locais e nomes estão sendo preservados.

Presídio Central

O plano foi elaborado dentro do Presídio Central pela cúpula da quadrilha, cerca de 15 detentos. Eles são tão perigosos que as audiências judiciais ocorrem dentro da casa prisional. Um deles teve de ser transferido para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (PASC). A polícia também tentou transferência de um dos líderes para presídio federal, mas não foi concedido. Esta organização criminosa possuía até um carro blindado com chapas de aço chamado de “caveirão“. O veículo, apreendido pela polícia, tinha espaço até para atiradores e teria sido usado para 30 assassinatos.

A investigação é dos delegados Marco Antônio de Souza, da Divisão Judiciária e de Operações, e do delegado Endrigo Marques, d Força Tarefa da Delegacia Regional de Porto Alegre. Segundo eles, esse grupo chegou a movimentar R$ 6 milhões e tem gerentes do tráfico que continuam atuando nas ruas para os líderes presos.

Apesar da nossa ação, ainda existe risco para os alvos e por isso estamos tomando todos os cuidados“, relata Souza.

Secretário Schirmer

Sobre o PM que consultava e repassava dados pessoais para o plano de execução da juíza, o secretário da Segurança Cézar Schirmer disse que uma atitude destas é inaceitável.

Uma vez comprovado, essa maçã podre será eliminada… Nós vamos tomar as medidas mais duras possíveis relativas ao envolvimento de qualquer agente da segurança com criminosos“, destacou o secretário.

 

Rádio Gaúcha

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Time colorado joga pelo empate fora de casa nesta primeira fase.

Uma terceira vítima foi encaminhada ao hospital e não corre risco de morte.

Por motivos desconhecidos um Astra, que seguia em direção a Arroio do Meio, teria invadido a pista contrária e colidido de frente com a Saveiro.

Homem que arremessou objetos para o interior do pátio do presídio, chegou a disparar um tiro contra um policial.