Giro do Vale / Destaque / País / Polícia

Delação de executivo da Odebrecht menciona 51 políticos

Confira a lista com nomes, apelidos e valores recebidos.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O anexo da delação de Cláudio Melo Filho traz menções, em 82 páginas, a ministros de Estado e parlamentares. No total, pelo menos 51 políticos são citados pelo executivo, que é ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht em Brasília. Na lista de nomes mencionados, além do presidente da República, Michel Temer, e dos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (Dem-RJ) e Renan Calheiros (PMDB-AL), o executivo cita três ministros de Estado, um secretário do núcleo duro do governo, ao menos sete ex-ministros, além de senadores, deputados, ex-parlamentares e assessores.

Todos os pagamentos citados na delação contabilizam mais de R$ 75 milhões em repasses para agentes políticos. Há relatos de doação oficial para campanha política e outros pagamentos não contabilizados perante a Justiça Eleitoral. Na delação, o executivo detalha pagamentos feitos a partir do Setor de Operações Estruturadas da Empresa, conhecido como departamento de propina.

“O propósito da empresa, assim, era manter uma relação frequente de concessões financeiras e pedidos de apoio com esses políticos, em típica situação de privatização indevida de agentes políticos em favor de interesses empresariais nem sempre republicanos”, afirma o ex-executivo no anexo entregue ao Ministério Público Federal.

O ex-executivo relata pagamentos a parlamentares para aprovação de medidas provisórios e projetos de lei principalmente de temas tributários. Nesse contexto, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) era considerado o patrocinador da agenda legislativa da Odebrecht no Congresso. O delator relaciona ao menos 14 projetos e medidas provisórias de interesse da empresa que foram objeto de discussão com o parlamentar e eventual repasse financeiro para atender interesses da empresa.

Apelidos e valores:

•  Michel Temer – R$ 10 milhões.

• “Caju”: senador Romero Jucá (PMDB-RR), R$ 22 milhões.

• “Justiça”: senador Renan Calheiros (PMDB-AL), recebeu parte dos R$ 22 milhões

• “Índio”: senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), também teria se beneficiado com o valor.

• “Primo”: ministro Eliseu Padilha (PMDB-RS), teria centralizado arrecadações para Temer.

• “Las Vegas”: Anderson Dornelles (ex-assessor de Dilma) – R$ 350 mil.

• “Angorá”: secretário Moreira Franco – recursos para Temer

• “Caranguejo”: ex-deputado Eduardo Cunha – R$ 7 milhões.

• “Cerrado/Piqui”: senador Ciro Nogueira (PP-PI) – R$ 5 milhões para campanhas do PP.

• “Polo”: ex-ministro Jaques Wagner – R$ 9,5 milhões.

• “Gremista”: deputado Marco Maia (PT-RS) – R$ 1,3 milhão.

• “Babel”: ex-ministro Geddel Vieira Lima – R$ 1,5 milhão.

• “Bitelo”: deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) – R$ 1,5 milhão.

• “Campari”: ex-senador Gim Argello – R$ 1,5 milhão.

• “Gripado”: senador José Agripino (Dem-RN) – R$ 1 milhão solicitado por Aécio Neves.

• “Botafogo”: deputado Rodrigo Maia (Dem-RJ) – R$ 100 mil,

• “Misericórdia”: deputado Antônio Brito (PSD-BA) – R$ 430 mil.

• “Ferrari”: ex-senador Delcídio do Amaral – R$ 550 mil.

• “Corredor”: prefeito de Ribeirão Preto Duarte Nogueira (PSDB) – R$ 600 mil.

• “Todo Feio”: Inaldo Leitão (PP-PB) – R$ 100 mil.

• “Jovem”: deputado estadual Adolfo Viana (PMDB-BA) – R$ 50 mil.

• “Feia”: senadora Lídice da Mata (PSB-BA) – R$ 200 mil.

• “Comuna”: deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), R$ 100 mil.

• “Goleiro”: Paulo Magalhães Júnior – R$ 50 mil.

• “Diplomata”: Hugo Napoleão – R$ 100 mil.

• “Moleza”: Jutahy Magalhães – R$ 350 mil.

• “Velhinho”: Francisco Dornelles (PP), vice-governador do Rio de Janeiro – R$ 200 mil.

• Carlinhos Almeida – R$ 50 mil

• João Almeida – R$ 500 mil

• Rui Costa (PT), governador da Bahia – R$ 10 milhões.

• Paulo Skaf (PMDB), presidente da FIESP – teria se beneficiado com R$ 6 milhões da verba acertada com Teme

Aécio teria recebido R$ 15 milhões

O cruzamento das informações da proposta de delação do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Cláudio Melo Filho com as planilhas angariadas pela Operação Lava Jato na investigação contra a empresa sugerem pagamento de R$ 15 milhões para o senador Aécio Neves (PSDB) e ao menos R$ 2,5 milhões para o ministro de Ciências, Tecnologia, Gilberto Kassab (PSD-SP).

De acordo com o anexo encaminhado pelo ex-executivo à Procuradoria-Geral da República, Aécio seria identificado no sistema interno de pagamentos indevidos como “Mineirinho” e Kassab como “Kafta”.

De acordo com as planilhas da Odebrecht, “Mineirinho” recebeu os R$ 15 milhões entre 7 de outubro e 23 de dezembro de 2014. A entrega teria sido feita em Belo Horizonte.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Bandidos fugiram em um veículo Civic de cor prata.

Três indivíduos foram presos na ação conjunta da polícia.

Após registro o homem foi conduzido ao sistema prisional

Vítima levou uma coronhada na cabeça e precisou ser encaminhada ao hospital.