Giro do Vale / País / Política

Executivo da Odebrecht diz ter feito doação ilegal a Michel Temer

Delator afirma que então vice-presidente teria pedido R$ 10 milhões à empreiteira.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O presidente Michel Temer e alguns dos seus principais ministros, entre eles Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da secretaria-executiva do Programa de Parcerias de Investimentos, mais o presidente do Senado Renan Calheiros, e os senadores Eunício Oliveira e Romero Jucá, todos do PMDB, foram denunciados pelo executivo Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht. Ele é um dos 77 delatores da empreiteira na Operação Lava Jato. por terem recebido doações oficiais e de caixa 2 a fim de conseguirem vantagens para a construtora.

Na delação, Melo Filho detalhou aos investigadores da Lava Jato, segundo divulgou o Jornal Nacional, da Rede Globo, como repassava propina ao PMDB no Senado e na Câmara dos Deputados e quais as contrapartidas que recebia. O delator afirma nos termos de confidencialidade que em maio de 2014, quando Temer ocupava a vice-presidência da República, que compareceu a um jantar no Palácio do Jaburu, que contou com a participação do atual presidente, do dono da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e de Eliseu Padilha.

Na reunião, afirma o delator, Temer solicitou “direta e pessoalmente” a Marcelo Odebrecht apoio financeiro para as campanhas do PMDB em 2014. “No jantar, acredito que considerando a importância do PMDB e a condição de possuir o vice-presidente da República como presidente do referido partido político, Marcelo Odebrecht definiu que seria feito pagamento no valor de R$ 10 milhões. Claramente, o local escolhido para a reunião foi uma opção simbólica voltada a dar mais peso ao pedido de repasse financeiro que foi feito naquela ocasião”, diz o executivo.

“Do total de R$ 10 milhões prometido por Marcelo Odebrecht, Padilha ficou responsável por receber e alocar R$ 4 milhões. Compreendi que os outros R$ 6 milhões, por decisão de Marcelo Odebrecht, seriam alocados para o Sr. Paulo Skaff”, diz o delator. Skaf é presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e foi o candidato do PMDB ao governo de São Paulo em 2014.  Melo Filho afirma ainda que do valor repassado a Padilha, cerca de R$ 1 milhão tinha como destinatário final o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso em Curitiba.

Em nota, o Palácio do Planalto informou que o presidente Michel Temer, que está no Nordeste, “repudia com veemência” o conteúdo da delação de Melo Filho. A nota afirma ainda que nunca houve caixa 2, nem entrega em dinheiro a pedido de Temer.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Programação inicia pela manhã, e contará com jogos ao longo do dia, e almoço na casa do Rudibar.

Somente com jogadores da cidade, equipe vai para sua primeira experiência na competição regional.

Droga estava escondida em compartimentos ocultos dentro de um veículo Hyundai I30.

Terceira etapa da competição de corrida e caminhada acontece no domingo, dia 22.