Giro do Vale / Destaque / Esporte / Grêmio

REI DE COPAS: Grêmio é pentacampeão da Copa do Brasil

Tricolor empatou com o Galo na Arena e chegou ao seu quinto título da competição nacional.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio

Foto: Lucas Uebel / Grêmio

O Grêmio é o Rei das Copas. A Copa do Brasil 2016 é azul, preta e branca. Na noite desta quarta-feira, 7 de dezembro de 2016, 55 mil torcedores presenciaram a redenção de um clube. O

time de Grohe, Geromel, Maicon, Douglas e Luan, treinado pelo mito Renato Portaluppi conquistou a Copa do Brasil

2016, a quinta do Grêmio. Do rosto dos jogadores escorre suor e lágrimas. Torcedor gremista, encha os pulmões e

solte o grito preso há anos na garganta: É CAMPEÃO. Bolaños, aos 43 do segundo tempo, de perna esquerda, após jogada de Éverton, marcou o gol tricolor. Cazares, do meio de campo, encobriu Grohe e deixou tudo igual.

A escalação do Atlético-MG deixou o time mineiro mais compacto e liberou a ação dos laterais. O Grêmio teve dificuldades para, quando com a posse de bola, conseguir trocar passes em velocidade e encaixar um contragolpe.

O Galo se movimentava bastante pelo meio com Rafael Carioca, Leandro Donizete, Junior Urso e Luan. Walace, Ramiro e Maicon não conseguiam encaixar a marcação. O Atlético-MG, aos 4 minutos, teve a primeira chance. Junior Urso, de cabeça, após cruzamento da esquerda. O Tricolor, tenso, ficava atrás da linha da bola. Aos 8, Lucas Pratto arriscou de fora da área. Bola no canto. Grohe, bem posicionando, só acompanhou. Aos 12 foi a vez de Luan arriscar de longe. Para fora.

A torcida sentia a equipe nervosa e com dificuldade de sair para o contra-ataque. Passou a incentivar mais e fazer a Arena sacudir. O Grêmio respondeu dentro de campo. Aos 18, time partiu em contra-ataque pela direita. Luan foi derrubado perto da área. Douglas bateu a falta por cima. Aos 22, Ramiro e Edílson trocam passes até a bola sobrar para Maicon. O capitão chutou forte. A bola explodiu na defesa e saiu.

O Atlético-MG voltou a fazer suar frio os torcedores gremistas aos 26. Em jogada pela equerda, rolou para Rafael  Carioca que fez o corta-luz, mas ninguém arrematou. Dois minutos depois, Robinho, de cabeça, assustou. O Grêmio deu seu primeiro chute no gol aos 36. Recebeu na esquerda, cortou o marcador e bateu. Victor fez a defesa. Aos 40 minutos Douglas, de calcanhar, passou para Éverton. O atacante invadiu a área e cara a cara com o goleiro  chutou fraco. Victor fechou bem o ângulo e defendeu.

Segundo tempo

O Grêmio seguiu o mesmo script. Atrás da linha da bola, fechando os espaços e tentando o contra-ataque. A torcida empurrava o time. Pela esquerda, o time chegava com perigo. O Galo tentava responder, mas não conseguia mais a mesma força. O Tricolor passou a ficar no campo ofensivo. Aos 11, Edílson bateu falta direto. Victor tirou de soco. No lance seguinte, Luan, de fora da área, mandou no canto. O goleiro fez a defesa. O Galo sentiu a parte física. Passou a ter dificuldades na armação das jogadas. Bem posicionado, ocupando cada canto do campo, o Grêmio seguiu cadenciando a partida e alfinetando a zaga mineira. Luan, aos 17, após receber de Ramiro mandou por cima. Na tentativa do abafa, no cruzamento para a área do Grêmio, Grohe sai da meta para defender o toque de cabeça. Aos 35, Marcelo Oliveira cruzou para Éverton, que desviou, de leve, mas Erazo mandou para escanteio. O Galo estava atordoado sem saber o que fazer e cansado. Via os gremistas tocarem a bola. Bolaños, após jogada com Éverton, marcou para o Grêmio. Cazares, do meio da rua, acertou o gol. Tudo igual.

O Grêmio foi guerreiro, sim. Lutando pela bola, pelo gol e defendendo sua meta como leões. Um time campeão precisa de jogadores que saibam pensar. O Grêmio tem. Douglas, cerebral. Maicon, regente. Walace, guarda-costas. Kanemann, silencioso, impecável. Geromel, invísivel. A verdade é que o Grêmio campeão nunca foi 11. Trata-se de um grupo vencedor. Cada um na sua, articulados, monitorando o adversário, até recuperar a bola. O Atlético-MG não conseguiu jogar, o time de Renato suprimiu os espaços, cortou o passe e eliminou a aproximação dos meias e dos atacantes atleticanos.

Essa conquista do carrega uma lição de vida. O Grêmio foi humilhado pelo jejum, e a partir deste título atinge uma nova dimensão se transfigura e volta a ser o que todo torcedor gremista almeja: campeão. O Grêmio está no seu devido lugar: no topo, com a taça no armário, medalha e faixa no peito. Este é um time campeão, e podem apostar, pegaram o gosto, deu para perceber. Libertadores 2017, aí vai o Grêmio. O escritor uruguaio Eduardo Galeano escreveu que o fanático é o torcedor no manicômio. Na noite desta quarta, a fanática torcida gremista, em êxtase com o título, transformou a Arena no maior manicômio do Brasil.

 

Correio do Povo

Veja mais imagens

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Time colorado joga pelo empate fora de casa nesta primeira fase.

Uma terceira vítima foi encaminhada ao hospital e não corre risco de morte.

Por motivos desconhecidos um Astra, que seguia em direção a Arroio do Meio, teria invadido a pista contrária e colidido de frente com a Saveiro.

Homem que arremessou objetos para o interior do pátio do presídio, chegou a disparar um tiro contra um policial.