Giro do Vale / Estado / Polícia

Polícia Civil prende integrantes quadrilha de roubo a bancos em Porto Alegre

“Operação Subterfúgio” investigou dois grupos que tinham a mesma forma de agir.

Foto: Polícia Civil / Divulgação

Foto: Polícia Civil / Divulgação

A Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) deflagrou na manhã desta quarta-feira, dia 1º, uma operação para prender integrantes de duas quadrilhas que roubam bancos em Porto Alegre. Cerca de 50 policiais cumpriram cinco mandados de prisão e nove de busca na Capital, em Alvorada, Viamão e Balneário Pinhal.

A chamada “Operação Subterfúgio” investigou dois grupos que tinham a mesma forma de agir: os primeiros ladrões que entravam nas agências sempre  vestiam roupas próprias utilizadas durante o trabalho por garis, motoboys e frentistas, além de uniformes da polícia ou ternos para se passarem por executivos. Tudo isso para tentar despistar, inicialmente, os vigilantes das agências. Em todos os casos foi constatada esta forma de agir.

Roubos a bancos

São vários roubos apurados, mas dois mais recentes, ocorridos neste ano já foram confirmados. Um foi na zona sul de Porto Alegre, dia 3 de janeiro, na avenida Wenceslau Escobar, quando oito homens armados renderam vigilantes, clientes e funcionários para realizar o assalto. O outro foi no bairro Bom Jesus, zona leste da cidade, quando quatro criminosos de outra quadrilha agiram da mesma forma no roubo.

Segundo os delegados Joel Henrique Wagner e João Paulo de Abreu, responsáveis pela investigação, durante a execução dos delitos, outros integrantes das quadrilhas dão suporte do lado de fora dos bancos. Geralmente com fuzis e com rádio comunicador, eles ficam em veículos estacionados nas ruas monitorando qualquer ação policial. Os delegados ainda destacam que as quadrilhas também roubam veículos utilizados em outros ataques, principalmente a bancos.

 

Rádio Gaúcha

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Três indivíduos foram presos na ação conjunta da polícia.

Após registro o homem foi conduzido ao sistema prisional

Vítima levou uma coronhada na cabeça e precisou ser encaminhada ao hospital.

Foi verificada uma marca de frenagem de cerca de 100 metros antes do impacto