Giro do Vale / Destaque / Polícia / Vale do Taquari

Empresas do Vale do Taquari são alvo em nova fase da Operação Leite Compen$ado

Leite que seria destinado a animais estaria sendo usado para industrialização de produtos de consumo humano.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Foi deflagrada na manhã desta terça-feira, dia 14, a 12ª etapa da Operação Leite Compen$ado, nas cidades de Nova Araçá, Casca, Marau, além de Estrela e Travesseiro, no Vale do Taquari. São cumpridos cinco mandados de prisão e quatro de busca e apreensão. Até o meio-dia, quatro pessoas haviam sido presas na ação. As buscas estão sendo realizadas na Indústria de Laticínios Rancho Belo Ltda., situada em Travesseiro; Laticínios Modena, de Nova Araçá; Laticínios C&P, de Casca; assim como na Transportadora AC Tressoldi, situada em Estrela. Outro mandado de busca e apreensão é cumprido na sede da empresa M&M Assessoria, em Marau. A Laticínios Rancho Belo, de Travesseiro, foi interditada pelo Ministério Público. A indústria fabrica leite UHT integral envazado pela marca dos supermercados Dia%, além de leite, queijo e creme de leite da marca Rancho Belo.

Organização Criminosa
Conforme as investigações, foi descoberto crime organizado e de comercialização de produto lácteo impróprio para consumo humano (pela nocividade ou pela redução do valor nutricional) envolvendo as empresas investigadas. Dois dos alvos de prisão preventiva já haviam sido denunciados em outras operações do MP, daquela vez por sonegação fiscal milionária. Na prática, os três laticínios recebem e repassam entre si leite cru, creme de leite e soro de creme fora dos padrões previstos pela legislação brasileira. Muitas das cargas chegam a ser refugadas por outras empresas e acabam sendo comercializadas para estas indústrias. Alguns elementos da investigação apontam que carregamentos de leite que só poderiam ter como destino a alimentação de animais foram usados para a industrialização de produtos de consumo humano.

Fraude nos Produtos
Em mais de dez Certificados Técnicos de Análise emitidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizados em leite cru, leite UHT e nata, sendo detectados índices fora dos padrões. Conforme as investigações, os sócios-proprietários das empresas ordenavam a adição desses produtos para corrigir a acidez e eliminar microorganismos, no intuito de “rejuvenescer” o produto já vencido, impróprio para o consumo. Entre os ingredientes acrescidos estão água, soda cáustica, bicarbonato. No caso da água, ela era adicionada para que o creme de leite duro, já amanteigado, fosse novamente amolecido e misturado a outras cargas em condições melhores. Os laudos realizados pelas próprias empresas eram mascarados, para que tanto a fiscalização quanto os compradores não visualizassem os problemas.

Assessoria
A busca e apreensão na M&M Assessoria, contratada pela Laticínios Modena, ocorre porque, de acordo com relatório do Mapa, em grande parte dos postos de resfriamento e laticínios onde a empresa atuou, foram constatadas adulterações no leite cru in natura e derivados. A Operação Leite Compen$ado 12 é realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco Segurança Alimentar, através dos promotores de Justiça Mauro Rockenbach e Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, com participação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Receita Estadual e Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).

 

Grupo Independente

Comentários

  1. Adel disse:

    Não tem jeito: quer leite e derivados, tenha uma vaca. Hoje em dia não se pode confiar em mais nada industrializado; extrato de tomate com pelo de rato, tomate e outras frutas com agrotóxico, leite adulterado… Ta dificil…

Publicidade

Últimas Notícias

Foto: Juliano Beppler da Silva / Giro do Vale

Temperatura segue em elevação pelo Estado e pode chegar a 35°C em Santa Rosa

Foto: Divulgação

Lance mínimo para adquirir 70% da estrutura é de R$ 45 milhões

Foto: Marcos Oliveira / Agência Senado / Divulgação

Por 44 votos a 26, senadores derrubaram decisão do STF