Giro do Vale / Estado / Política

Sartori defende aprovação de pacote e retirada de plebiscito para venda de estatais

Governo do Rio Grande do Sul detalhou condições financeiras de CEEE, CRM e Sulgás.

Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / Divulgação

Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / Divulgação

Após fazer anúncios para área de segurança, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, fez um pronunciamento nesta quarta-feira, dia 5, no Palácio Piratini, em Porto Alegre, a respeito da condição financeira da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás). Sem citar as estatais, Sartori reiterou a necessidade da aprovação do pacote de austeridade que foi enviado à Assembleia Legislativa e da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que retira da Constituição estadual a obrigatoriedade de plebiscito para a venda das companhias.

“Quero confiar plenamente num futuro melhor para o Estado. As medidas que tomamos até aqui têm de ter continuidade, independente do que virá no ano aque vem. Nós vamos continuar fazendo propostas e encaminhamentos. Os projetos sugeridos foram remédios amargos, mas com atitudes firmes. Essa caminhada precisa ter continuidade. Tenho certeza de que nós procuramos arrumar a casa e queremos seguir assim”, disse Sartori.

O governador gaúcho comentou que foi muito bem recebido pelo presidente Michel Temer e pelo Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. “Recebemos uma boa notícia e já sabemos que alguns acertos foram estabelecidos no Tesouro Nacional para mostrar que o Rio Grande do Sul é diferente de outros estados porque fizemos o dever de casa. Nós precisamos sim da ajuda federal e do regime de recuperação fiscal. Estamos lutando por isso e é por isso que vou viajar a Brasília”, disse pouco antes de deixar o Palácio Piratini.

O secretário-adjunto de Minas e Energia, Artur Lemos Júnior, detalhou as condições financeiras das três empresas e explicou que o governo analisou números contabilizados em relatórios de administração. O secretário-geral do governo, Carlos Búrigo, explicou que a gestão desde o início começou a analisar o papel do Estado. “Em cima disso, no trabalho que fizemos, entendemos os serviços que não têm necessidade da presença do governo. São empresas que foram criadas em outras décadas e que foram fundamentais para o Rio Grande do Sul. Precisamos agora atrair investimentos que possam alavancar a economia, gerando emprego e renda”, afirmou.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Material estava em tonéis, e foi levado em ação que durou cerca de 5 minutos.

O suspeito, que já foi três vezes preso por furto em pouco mais de um mês, estava no interior do carro.

Veículo estava abandonado em uma rua do Bairro Pinheiros.

Decisões no mês de agosto fazem comissão técnica pensar em preservar jogadores importantes.