Giro do Vale / Destaque / Estado / Política

Cpers entrega pedido de impeachment contra Sartori à Assembleia

Solicitação foi embasada em denúncia de que governador teria recebido propina da JBS.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O Cpers/Sindicato entregou na manhã desta segunda-feira à Assembleia Legislativa um novo pedido para impeachment do governador José Ivo Sartori. Segundo a presidente do Cpers, Helenir Schürer, a solicitação está embasada nas denúncias de que Sartori teria recebido propina oriunda da JBS, montante que seria de R$ 1,5 milhão.

“Os principais aspectos jurídicos do pedido são o não cumprimento do artigo 35 da Constituição, que obriga o governo a pagar integralmente os salários até o último dia do mês; o segundo é o não cumprimento de uma decisão judicial do Tribunal de Justiça sobre o mesmo assunto. Resgatamos também as pedaladas feitas no 13º salário de 2015, quando tivemos que fazer um empréstimo no Banrisul, o que caracteriza o uso do sistema bancário do Rio Grande do Sul. Além disso, tem as informações do financiamento da campanha com dinheiro de propina”, disse em entrevista à Rádio Guaíba.

Helenir garantiu que a denúncia relacionada a Sartori está documentada no pedido de impeachment. “Está expressa no pedido, mas nós sabemos que esta não será a parte mais forte da solicitação. No momento em que há um grande questionamento sobre incentivos fiscais no Estado. Eu acho que mais do que nunca que o Rio Grande do Sul precisa saber que tentáculos da JBS chegaram até aqui”, resumiu.

A presidente do Cpers espera que o pedido seja analisado, independente de quem esteja no comando da Assembleia Legislativa. “Nós encaminhamos o pedido também por uma pressão da nossa categoria e também pelas razões anteriores”, explicou.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Ainda há veículos furtados no município, que estão desaparecidos.

Ação policial iniciou após criminosos terem roubado uma moto nas imediações da Cervejaria Salva em Bom Retiro do Sul.

Homem é um dos sócios de outro envolvido e ambos teriam pago R$ 25 mil por ritual macabro.

Decisão foi feita após processo movido por um grupo de advogados trabalhistas.