Giro do Vale / Cruzeiro do Sul / Política

Justiça Eleitoral condena ex-prefeito de Cruzeiro do Sul por compra de votos

Dingola e outros três integrantes da chapa a reeleição teriam distribuído brita e saibro em troca de votos.

Dingola e Jorge. (Foto: Marcio Steiner/ Grupo Independente / Divulgação)

Dingola e Jorge. (Foto: Marcio Steiner/ Grupo Independente / Divulgação)

O juiz leitoral da comarca de Lajeado, Luís Antônio de Abreu Johnson condenou o ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, César Leandro Marmitt o Dingola, a oitos anos de inelegibilidade e multa, por conta de condutas vedadas, cometidas durante a campanha para as eleições municipais de 2016. A sentença foi divulgada na tarde desta quinta-feira, dia 4.

Na época, Marmitt era candidato a reeleição. Além de Dingola, também foram condenados o então candidato a vice-prefeito Jorge Alfredo Siebenborn, ex-secretário da Administração Leandro Luís Johner e o ex-secretário de Obras João Renato Mallmann, o Russo, todos integrantes da coligação Unidos Por Cruzeiro (PP/PDT).

Já o ex-secretário de Agricultura, Gérson Kolling, que também aparecia nos autos do processo, foi inocentado. De acordo com o despacho do magistrado, “…os denunciados, utilizando-se de sua condição de agentes políticos (prefeito e secretários), arquitetaram esquema ilegal para captar votos e interferir indevidamente nas eleições em seu favor, pretendendo perpetuar-se no poder, prometendo brita e saibro entregues nas propriedades dos eleitores em troca de votos”.

Eles foram condenados por captação ilícita de sufrágio (compra de votos) e abuso de poder econômico/político. O caso foi registrado na Delegacia de Polícia, 15 dias antes do pleito de 02 de outubro do ano passado. A partir dai, a Polícia abriu inquérito para investigar a denúncia.

A conclusão da apuração policial, que indiciou os envolvidos, foi remetida ao Ministério Público, que por sua vez, ofereceu denúncia à Justiça Eleitoral. A pena arbitrada para os quatro é de perda dos direitos políticos por oito anos (impossibilidade de disputar cargo público) e multa de R$ 5,32 mil.

A decisão é de primeira entrância e cabe recurso. A assessoria jurídica dos representados disse que só vai se manifestar após receber a notificação da sentença.

 

Grupo Independente

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Material estava em tonéis, e foi levado em ação que durou cerca de 5 minutos.

O suspeito, que já foi três vezes preso por furto em pouco mais de um mês, estava no interior do carro.

Veículo estava abandonado em uma rua do Bairro Pinheiros.

Decisões no mês de agosto fazem comissão técnica pensar em preservar jogadores importantes.