Giro do Vale / Bom Retiro do Sul / Saúde

Segue baixa a procura pela vacina contra a gripe em Bom Retiro do Sul

Apenas 30% das crianças de seis meses a cinco anos incompletos receberam a dose até o momento.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

No último sábado, dia 13, aconteceu em todo o país o Dia D da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe. Em Bom Retiro do Sul a vacinação ocorreu nos Postos de Saúde do Centro e do Faxina do Silva Jorge. O número de imunizados segue abaixo do esperado para atingir a meta estipulada para o município.

Foi baixa a procura durante o Dia D da vacinação, o que acompanha o que vinha ocorrendo nos dias anteriores, quando também vinha sendo registrada uma baixa adesão da comunidade.

A enfermeira Tânia Link que atua no Posto de Saúde do Centro relata que neste ano a procura está sendo menor do que nas edições anteriores. “A chuva que caiu durante o sábado, também prejudicou a vacinação do Dia D, quando esperávamos um aumento na adesão às vacinas”, relatou a profissional.

Segundo os números divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde e Ação Social, Bom Retiro do Sul vacinou até o momento, dentro do grupo prioritário, 30% das crianças de seis meses a cinco anos incompletos, 51% das gestantes, 66% dos idosos, e 76% dos trabalhadores da área da saúde. Somente o grupo formado por puérperas – mulheres com até 45 dias após o parto – ultrapassou a meta, e atingiu 129%.

Vacinação ocorre até dia 26

A vacinação contra a gripe segue até o dia 26 de maio. As pessoas podem procurar pela imunização contra a gripe Posto de Saúde do Centro das 7h45 às 12h e das 13h às 15h45. As doses da vacina também são aplicadas no Posto de Saúde do bairro São Francisco das 9h às 11h e das 14h30 ás 16h30.

 

Giro do Vale

Comentários

  1. Anônimo disse:

    Até q idade pode ser geit a vacina

Publicidade

Últimas Notícias

Ainda há veículos furtados no município, que estão desaparecidos.

Ação policial iniciou após criminosos terem roubado uma moto nas imediações da Cervejaria Salva em Bom Retiro do Sul.

Homem é um dos sócios de outro envolvido e ambos teriam pago R$ 25 mil por ritual macabro.

Decisão foi feita após processo movido por um grupo de advogados trabalhistas.