Giro do Vale / Estado / Política

Piratini entrega projeto de venda de estatais com alterações que Assembleia pedia

Requerimento solicitando a apreciação de um pedido de plebiscito pode ser analisado em plenário 13 de junho.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O governo do Estado, através da Casa Civil protocolou na Assembleia Legislativa (AL), nesta segunda-feira, dia 5, um projeto de venda ou federalização da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), da Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e da Sulgás. Após um embate político entre a presidência do Legislativo e o Palácio Piratini, na última sexta-feira, o governo resolveu evitar recursos administrativos dentro do Parlamento. No final da semana, o presidente da AL, Edegar Pretto (PT) arquivou as solicitações de realização de consulta popular sobre a entrega das empresas, ainda em 2017. Baseado em um parecer da Procuradoria da Casa, ele alegou a necessidade de um projeto específico, detalhando quais as empresas serão entregues.

Com o projeto entregue hoje, um requerimento solicitando a apreciação do pedido de plebiscito pode ser analisado em plenário no dia 13 de junho – terça-feira da semana que vem. Conforme o deputado Gabriel Souza, líder do governo na Assembleia, há tempo para votar a consulta popular a fim de que o processo ocorra em novembro. “Agora contamos que a presidência não vá tentar, mais uma vez, obstruir o processo. Protocolamos o projeto, não havia necessidade, conforme o nosso entendimento. Mas agora queremos votar”, sustenta.

O governo reitera a necessidade de venda das estatais por conta de prejuízos nos balanços da CEEE e da CRM. Já em relação à Sulgás, o Palácio Piratini garante não ter recursos para continuar investindo na ampliação de gasodutos. A privatização ou federalização dessas empresas estatais é considerada fundamental para a adesão do Rio Grande do Sul ao Plano de Recuperação Fiscal proposto pela União aos estados mais endividados. “A prioridade é o encaminhamento do plebiscito para a adesão ao plano que dá carência ao pagamento da dívida. O segundo ponto é a necessidade de enfrentamento às empresas que são deficitárias”, ressalta Souza.

O Piratini vai ter de arcar com os custos de aproximadamente R$ 25 milhões caso o plebiscito seja aprovado ainda neste ano. “É um investimento diante da situação financeira do Estado”, ponderou o chefe da Casa Civil, Fábio Branco.

Entretanto, nos bastidores é consenso que dificilmente ocorra consulta para a venda das três empresas estatais ainda em 2017. Além da falta de tempo hábil (14 de junho é o prazo máximo para que o projeto passe em plenário), integrantes do governo reconhecem que vão precisar de mais tempo para convencer a população da necessidade de vender as companhias.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Tempo fica instável, mas sol aparece com nuvens em várias cidades.

Com decisão, ex-presidente seguirá preso para cumprir condenação no caso do triplex.

Eles fizeram duas viagens para conseguir levar todo o material furtado.

Ele pagou fiança de R$ 1,5 mil para responder pelo processo em liberdade.