Giro do Vale / Bom Retiro do Sul / Destaque / Educação

CEJA mantém greve seguindo decisão tomada em assembleia do Cpers

Governo do Estado decide cortar ponto de grevistas do Cpers.

Em 2015 uma faixa foi colocada em frente ao CEJA, em protesto contra o parcelamento de salários. (Foto: Juliano Beppler da Silva / Giro do Vale / Arquivo)

Foto: Juliano Beppler da Silva / Giro do Vale / Arquivo

Professores e funcionários do Colégio Estadual Jacob Arnt (CEJA) de Bom Retiro do Sul definiram a manutenção da greve por tempo indeterminado. A decisão ocorreu, após assembleia do Cpers que aconteceu nesta sexta-feira, dia 29, em Porto Alegre.

O encontro, realizado no ginásio Gigantinho, se destacou por bater o recorde de público desde o ano passado, além de ter contado com adesão expressiva de pais e alunos.

Ao final da assembleia, o público seguiu em caminhada pelas ruas de Porto Alegre até o Largo Glênio Peres, onde se juntou a outros servidores estaduais em manifestação contra o parcelamento de salários.

Corte do pondo de grevistas

O Governo do Rio Grande do Sul anunciou, na tarde desta sexta-feira, o corte do ponto dos servidores do Cpers/Sindicato após a categoria decidir continuar com a greve geral dos professores estaduais que completa hoje 25 dias.

Segundo nota divulgada, o governo pede que os professores mantenham as aulas e pede a colaboração dos pais e da comunidade escolar. “A responsabilidade pela preservação do ano letivo é compartilhada por toda a sociedade. O Governo do Estado segue aberto ao diálogo”, diz o texto.

De acordo com governo, 47% dos servidores da Educação receberam os salários integralmente nesta sexta e que até o dia 11 de outubro, todos estarão com os salários quitados, assim como ocorre com a maioria dos trabalhadores.

Segundo a nota, a crise que se instala no Estado não é por vontade da atual gestão. “E para sair dela, precisamos de responsabilidade política e financeira, não de populismo e demagogia. Estamos fazendo todos os esforços para recuperar os serviços públicos e normalizar o pagamento dos servidores. O governo sempre manteve o diálogo e, nesta semana, anunciou o pagamento prioritário a quem ganha menos e a indenização pelos dias de atraso”, diz o texto.

Conforme a presidente do sindicato, Helenir Schürer, o corte de ponto visa amedrontar e penalizar os docentes, que exigem recebimento do pagamento integral e sem atraso. “Nós vamos acionar o nosso Departamento Jurídico, até porque a Justiça tem que esclarecer como será o cortado o ponto de quem não recebe salário”, rebate.

 

Correio do Povo

 

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Dois carros incendiaram após a colisão

Porém, o pedido foi negado pela Justiça, mesmo com parecer favorável do Ministério Público (MP)

Previsão é que a Draco comece a operar em maio de 2019, a partir do ingresso de novos servidores na corporação

Ministério da Saúde ampliou prazo para até terça-feira, na tentativa de preencher vagas que faltam