Giro do Vale / Lajeado / Polícia

Trio que planejava provável roubo de malote em obra, é detido com arma, em Lajeado

Outro homem foi pego com munições.

Foto: Divulgação / BM

Foto: Divulgação / BM

Três indivíduos que planejavam um possível roubo de malote foram detidos pela Brigada Militar (BM), no final da tarde desta sexta-feira, dia 24, em Lajeado.

Após denúncia que dois indivíduos com atitudes suspeitas, estariam sentados na esquina das ruas Expedicionários do Brasil com Duque de Caxias, o policiamento realizou a verificação. Com a chegada da guarnição, um indivíduo saiu correndo com a mão na cintura. Em seguida jogou na calçada de passeio um revólver calibre 38, municiado com cinco projéteis. O outro indivíduo também foi pego.

Soldados do Pelotão de Operações Especiais (POE) conseguiram identificar um terceiro sujeito que estava passando informações sobre o malote de pagamento dos funcionários de uma obra, que continha o montante de R$ 30 mil.

As partes foram conduzidas à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). Apenas Eliseu Davi Manjoli (18) que possuía a arma de fogo foi autuado em flagrante por porte ilegal.

Também nesta sexta-feira, uma guarnição realizava abordagens na avenida Benjamim Constant e verificou atitude suspeita de um homem que estava ao lado de um veículo Gol. Percebendo a ação do policiamento, o proprietário do carro saiu correndo, sendo perseguido e capturado.

Em buscas no veículo foram encontradas 22 munições intactas de calibre 20. O detido, de 18 anos, morador do bairro Floresta, em Lajeado, assumiu a propriedade das munições. O sujeito também foi conduzido até a DPPA para o registro.

A delegada plantonista deixou de autuá-lo em flagrante, tendo em vista não ter condições de comprovar a funcionalidade das munições.

 

Grupo Independente

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Ainda há veículos furtados no município, que estão desaparecidos.

Ação policial iniciou após criminosos terem roubado uma moto nas imediações da Cervejaria Salva em Bom Retiro do Sul.

Homem é um dos sócios de outro envolvido e ambos teriam pago R$ 25 mil por ritual macabro.

Decisão foi feita após processo movido por um grupo de advogados trabalhistas.