Giro do Vale / Esporte / Grêmio

Grêmio vence Pachuca e está na final do Mundial de Clubes

Everton, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação, marcou o gol da vitória gremista.

Foto: Ricardo Giusti / Divulgação

A “profecia” está mais próxima de ser cumprida: “acabar com o planeta”. O Grêmio está na final do Mundial de Clubes e a 90 minutos, caso não haja prorrogação, de conquistar o campeonato mundial. Na tarde desta terça, noite nos Emirados Árabes, o Tricolor, num sufoco, num jogo nervoso, precisou da prorrogação para derrotar o Pachuca. Everton, num belo lance, após jogada com Cortez, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação, marcou o gol que garantiu o Grêmio em Abu Dhabi, sábado, para enfrentar Real Madrid ou Al Jazira.

O elenco, afinado, cumpriu à risca a ordem do comandante. Para chegar à final, tem que passar pela semifinal. E foi isso que o Grêmio fez. Não foi nem de longe uma atuação primorosa. Pelo contrário. O Grêmio teve dificuldades para encaixar o seu jogo, a sua troca de passes e chegada com vários jogadores na frente. Nenhum gremista esperava que seria fácil, mas também nenhum imaginava que seria tão sofrido e complicado. O Pachuca fez um enfrentamento duro com Grêmio. Impediu a progressão em alta velocidade do time de Renato Portaluppi com faltas, algumas delas, bem duras. É verdade que o Tricolor também facilitou a marcação mexicana. Michel e Ramiro tinham dificuldade em trocar passes com Luan, que foi marcado em todo canto que ia, e Fernandinho. O Grêmio chegou em lances de bola parada. Aos 16 minutos, Edílson bateu ao seu estilo: forte e com efeito. Por muito pouco não encobriu o goleiro Óscar Pérez. A outra “chance” ocorreu aos 40, também de falta.

Fernandinho, pela direita, mandou com veneno. Passou perto. Do lado mexicano, o japonês Honda teve duas oportunidades. Nas duas, Cortez foi o salvador tricolor. Aos 27 minutos o atacante recebeu na entrada da área. Quando ajeitava o corpo para o chute, Cortez, como um foguete surgiu para afastar. A segunda fez a torcida gremista fechar os olhos. Aos 45, os mexicanos trocaram passes e Honda avançou área adentro. Ele preparava o arremate e Cortez, de novo, apareceu e com o bico da chuteira afastou.

O Grêmio tentou iniciar o jogo apertando a marcação do Pachuca. Dificultar a saída de bola. Óscar Pérez saía com chutão ou com o zagueiro duro – Murillo. O Tricolor parecia que iria dominar rapidamente a partida. Logo aos 5 conseguiu um escanteio. Barrios cabeceou desajeitado e para fora. Na sequência, lance pela esquerda. Cortez tabelou com Michel. O cruzamento para dentro da área saiu fraco e ficou fácil para o zagueiro do Pachuca. Os mexicanos se apresentaram aos 8 minutos num chute de Honda. Grohe só acompanhou. O lance parece ter dado ímpeto aos “tuzos”. Eles conseguiram sair de trás e avançar suas linhas. O Grêmio seguiu com dificuldade de articular o contragolpe e passou a deixar a defesa exposta. Kannemann levou amarelo. Geromel afastou outras. Grohe, de soco, evitou que a bola ficasse circulando pela área. O Pachuca encontrava espaços atrás dos volantes gremistas. Com isso chegava para os cruzamentos com alguma tranquilidade e sem pressa. Ficava com a bola.

Numa saída errada do goleiro mexicano, aos 17, Luan tabelou com Fernandinho. O craque gremista acabou batendo em cima do companheiro na entrada da área. Luan apareceu novamente aos 29. Fez um lançamento primoroso para Ramiro. O meia arrancou, chegou na frente, mas ele acabou errando o desvio para o gol. Fernandinho, aos 37, arrancou pela esquerda em alta velocidade. Ele cruzou para dentro da área, mas ninguém o acompanhou. A partida seguiu tensa, estudada e dura até o apito final.

Segundo tempo

Na segunda etapa, parecia, tal como no primeiro que o Grêmio iria apertar os mexicanos. Mas, errando passes, o Pachuca foi se aproximando da área de Grohe. Aos 10 minutos, numa saída errada de Jaílson, Urretaviscaya avançou e chutou colocado. Grohe espalmou. Renato mexeu em busca de uma alternativa de força e bola áerea. Jael entrou no lugar de Lucas Barrios. A entrada deu vigor ao Grêmio. Luan, de fora da área, mandou no cantinho. Óscar Pérez defendeu. O Tricolor seguiu empurrando os mexicanos para trás. Eles tiveram uma chance aos 14 minutos. Michel errou uma saída de bola.

Honda, sempre ele, invadiua a área, quando Geromel cortou. Num cruzamento de Edílson, Jael cabeceou em cima de Pérez. Em outra chegada pela direita, outro cabeceio de Jael. Luan se aproximou da área e passou a incomodar os zagueiros mexicanos. O técnico uruguaio fechou ainda mais a equipe e deixou tudo por um contra-ataque. Aos 24, numa boa troca de passes o Pachuca chegou na cara de Grohe. Na demora em finalizar, Geromel afastou. Preocupado com os erros de passes e a falta de ritmo de Michel, Renato mandou Everton para o jogo. Luan e Fernaninho passaram a arriscar mais.

O Grêmio foi acertando a marcação e passou a assustar os mexicanos. Aos 27, Luan pegoU a bola, tentou o giro e foi derrubado. Na cobrança, aos 29, Edílson mandou no cantinho. Passou pertinho. Goleiro fez golpe de vista. A equipe mexicana, com a bola, vinha forte com lances pelo alto. Aos 34 Urretaviscaya cruzou da direita. Guzman cabeceou firme. A bola foi, foi, foi e acabou saindo. Um sufoco. Respirou o torcedor. Aos 41, Fernandinho mandou um chute forte. Escanteio. Na cobrança, Jael, aos 41, desviou de cabeça e a bola bateu em Luan. O craque gremista não conseguiu dominar. O jogo ganhou contorno dramático. As equipes se cuidando e tentando um contra-ataque mortal. Que não aconteceu.

Prorrogação

O Tricolor saiu pressionando. Marcando em cima. O Pachuca respondia com chutes de fora. Numa jogada pela esquerda, Cortez cobrou lateral em velocidade e tocou para Everton. Ele dominou, invadiu a área e mandou no ângulo. Não deu para o “goleirinho” mexicano Pérez. O relógio marcava 4 minutos do primeiro tempo. Os mexicanos, sem outra alternativa, foram ao ataque. Abusaram de bolas altas. O Grêmio passou a esperar o Pachuca. Fechava os espaços e tentava um contragolpe com Everton e Fernandinho. Aos 11, um susto. Luan perdeu a bola no meio. Geromel, o capitão américa, fez o desarme de forma limpa e precisa. Luan, aos 13, arrancou e foi driblando. Abriu a jogada para Everton, que devolve. A defesa do Pachuca fez o corte.

Os últimos 15 minutos no estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain

Grêmio saiu para matar. Mais soltos, Everton e Luan chamaram o jogo. Trocando passes no campo de ataque, encontravam espaços. Leo Moura, aos 2 minutos, tocou para dentro da área. Antes de Jael chegou o zagueiro do Pachuca. O Pachuca não desistia. Seguia, quando com a bola, rodando e incomodando na frente da área. Guzman recebeu o cartão vermelho. Mais espaço em campo. Ramiro, aos 6, tocou para Jael, mas o atacante estava impedido na hora do arremate. Seguia a equipe do Pachuca tentando pelo alto. Segura e firme, a defesa gremista, afastava. Seguia o sufoco, o nervosismo. Para fechar a casinha, Renato colocou Rafael Thyere e tirou Fernandinho. Sem mais bola áerea para levar perigo. Sem mais tempo. Sem segurar a emoção: Grêmio na final do Mundial em Abu Dhabi.

Ficha técnica

Grêmio (1)

Marcelo Grohe; Edílson (Léo Moura), Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Jaílson, Michel (Everton), Ramiro, Luan e Fernandinho (Rafael Thyere); Lucas Barrios (Jael).

Técnico: Renato Portaluppi.

Pachuca (0)

Óscar Pérez; Martínez, González, Murillo; García (Sagal), Hernández, Aguirre (Erick Sánchez), Urretaviscaya (Germán Cano), Guzmán e Honda; Jara (Robert Herrera).

Técnico: Diego Alonso.

Gol: Everton, aos 4 minutos do primeiro tempo da prorrogação

Cartões amarelos: Kannemann, Ramiro, Hernández, Jael.

Cartão vermelho: Guzmán.

Árbitro: Felix Brych (Fifa/Alemanha).

Local: Estádio Hazza bin Zayed, em Al Ain (Emirados Árabes Unidos).

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

O criminoso fugiu com o malote, contendo valores não informados, e não foi mais encontrado.

Grupo invadiu agência do Banrisul em Farroupilha.

Em Porto Alegre, já são oito registros confirmados pela Secretaria da Saúde.

Após virada no tempo, frio se intensifica no Estado.