Giro do Vale / País / Política

STJ nega habeas corpus preventivo ao ex-presidente Lula

Líder petista pode ser preso assim que esgotados todos os recursos relativos ao julgamento no TRF4.

Foto: André Dusek / Estadão Conteúdo

Por unanimidade, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, nesta terça, o pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Desta forma, está ficando cada vez mais difícil para o ex-presidente evitar uma eventual prisão, assim que forem esgotados todos os recursos relativos ao julgamento do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), ocorrido em janeiro deste ano.

A defesa pretendia evitar a execução da pena imposta ao ex-presidente pelo TRF4, enquanto não forem esgotadas todas as possibilidades de recurso. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro a 12 anos e 1 mês de prisão em regime fechado, no caso do triplex.

A sessão da Quinta Turma

Inicialmente, o relator, ministro Felix Fischer, apresentou um relatório sobre o caso. Felix citou condenação do ex-presidente a 9 anos e 6 meses em regime fechado pelo juiz de primeira instância, e majoração da pena para 12 anos e 1 mês pelo TRF4, com ordem de cumprimento imediato.Sepúlveda Pertence, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, falou em nome da defesa do ex-presidente. Ele questionou a dosimetria (medida da pena) e o pedido para o cumprimento imediato da condenação. O ponto principal da defesa está no questionamento à fundamentação do acórdão do TRF-4. Segundo Pertence, o fato de usar uma única decisão do STF não é suficiente para fundamentar a decisão.

Em sustentação oral, Pertence disse que a defesa de Lula “não cogita discutir o abuso kafkiano da condenação de primeiro grau, nem a multiplicação desatinada da pena pelos juízes”, mas no habeas corpus em julgamento nesta terça-feira busca mostrar como “o acórdão sentença do Tribunal Regional é despido de qualquer ensaio de fundamentação” para justificar a prisão de Lula.

Pertence defendeu que o entendimento estabelecido pelo plenário do STF em 2016, sobre a possibilidade de execução de pena após condenação em segunda instância, não pode ser aplicado por extensão a outros casos, pois dizia respeito a um habeas corpus específico.

Na sequência, o subprocurador-geral da República Francisco de Assis Vieira Sanseverino alegou que o precedente do STF utilizado em decisão já está incorporado à jurisprudência, tanto do TRF4 quanto do próprio STJ. Para ele, há fundamentos suficientes no acórdão do TRF4 para possibilitar a execução da condenação de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Francisco Sanseverino rebateu o argumento da defesa. Para ele, o julgamento do STF, apesar de não vincular a outros casos, serve como jurisprudência a ser usada por outros tribunais. “Essa questão me parece impertinente, pois não foi evocado o efeito vinculante de qualquer decisão”, disse o subprocurador, para quem o TRF4 apenas incorporou o entendimento do STF a seu próprio julgamento.

“Nós estamos diante de uma situação onde os réus foram condenados em segunda grau, a matéria de fato e os fundamentos de direito foram examinados pelo TRF4, que entendeu cabível, desde que esgotada a sua jurisdição, a possibilidade da execução provisória”, disse o subprocurador.

Votação

O relator, ao proferir o seu voto, afirmou que a jurisprudência atual entende que o princípio da presunção da inocência não é suficiente para impedir execução da pena, assim como não há arbitrariedade em determinação do cumprimento imediato. Ele destacou ainda alguns pontos afirmados pelo TRF4, como o fato de não se tratar de prisão cautelar e o de que não haveria porque tomar medida diversa da adotada pela corte regional em ações similares. Ao encerrar seu voto,o ministro negou a ordem de habeas corpus, mantendo a decisão do TRF4 para o cumprimento imediato da sentença, assim que esgotadas as possibilidades de recurso naquele tribunal.

Depois foi a vez do ministro Jorge Mussi proferir o seu voto. Mussi citou decisão do Supremo que decidiu que é possível a execução provisória após condenação em segunda instância, ainda que exista a possibilidade de recurso extraordinário. Para ele, não existe ilegalidade de abuso de poder na determinação da execução da pena após esgotada a instância ordinária. Jorge Mussi entende que a mera suposição de que o ex-presidente será preso em ofensa à presunção de inocência e da necessidade de motivação não constitui ameaça concreta à sua liberdade. Disse que proferiu seu voto com “ânimo seguro, coração firme e acima de tudo de acordo com a sua consciência”. Ele também negou o habeas corpus preventivo, acompanhando o relator.

Na sequência o presidente da Quinta Turma do STJ, ministro Reynaldo Soares da Fonseca iniciou seu voto. Assim como os demais ministros, fez um histórico do caso. Reynaldo lembrou que o pedido deve ser analisado no sentido preventivo, pois o habeas corpus ser preventivo. “Tudo isso a defesa faz para demonstrar justo receio de prisão”. Ele citou os argumentos da defesa ao solicitar o habeas corpus. “Na visão da defesa a atuação do paciente no processo foi uma atuação de postura integralmente colaborativa.”

O ministro relembrou a inexistência de transferência do bem para caracterizar a lavagem de dinheiro e destacou que o ex-presidente tem uma condição favorável: primário, sem antecedentes, idoso e com residência fixa. Porém, relembrou tal como os colegas anteriores, a decisão do STF acerca da prisão após condenação em segunda instância e assim encaminhou o seu voto contra o pedido de habeas corpus. O ministro Reynaldo Soares falou que a tese da defesa do ex-presidente Lula tem base diretriz “já superada” pelo STJ.

O quarto ministro a votar, Ribeiro Dantas, analisou os pontos do pedido, destacando o precedente do STF e o fato de os embargos ainda não terem sido julgados pelo TRF4. Apesar de considerar a possibilidade de prisão iminente, o ministro acompanhou o relator e negou o pedido da defesa. Como então impedir a execução de uma condenação antecipada que não se sabe nem se será aplicada?”, indagou Ribeiro Dantas. O último a votar, ministro Joel Ilan Paciornik também negou o habeas corpus preventivo ao ex-presidente Lula.

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Ele foi detido por uma guarnição da Brigada Militar (BM) na Estação Rodoviária, no Florestal, onde aguardava um ônibus.

Condutor do veículo que atropelou a vítima, deixou o local sem prestar socorro.

Tempo fica instável, mas sol aparece com nuvens em várias cidades.

Com decisão, ex-presidente seguirá preso para cumprir condenação no caso do triplex.