Giro do Vale / Esporte / Grêmio

Grêmio esbarra na retranca do Paraná e fica no 0 a 0

Tricolor chegou aos nove pontos e ficou distante dos primeiros colocados.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio / Divulgação

Nem sempre o domínio do jogo é sinônimo de bom resultado. O Grêmio voltou a sentir isso neste domingo. Assim como no Gre-Nal na semana passada, o Tricolor controlou todo a partida, mas apenas empatou em 0 a 0 com o Paraná no estádio Durival de Britto. Nem mesmo as mudanças de Renato Portaluppi foram suficientes para dar a vitória ao Tricolor, que careceu de criatividade e sentiu saudades da ousadia de Everton.

Grêmio dominador, mas sem criatividade

Na caça aos primeiros colocados e por uma melhor posição antes da parada da Copa, o Grêmio iniciou o jogo contra o Paraná com uma formação modificada, sem Geromel, Arthur e Everton, peças importantes da espinha dorsal do time de Renato Portaluppi. Nem por isso o time gaúcho mudou o seu estilo de jogo. Com paciência e toque de bola, a equipe tentou encontrar espaços para atacar, mas sempre esbarrava no bom posicionamento da defesa dos paranaenses.

A superioridade técnica do Grêmio falava mais alto e o controle da bola e, por consequência, do jogo, era natural para o time gaúcho. O Paraná, por sua vez, se concentrava em marcar os principais atletas das ações ofensivas gremistas. Luan era o mais visado, tanto que aos 13 minutos recebeu uma entrada forte do lateral esquerdo Mansur e saiu indignado do lance. A arbitragem, porém, entendeu como um lance normal e sequer deu cartão amarelo.

A marcação forte do Paraná não abalou o Grêmio, que seguiu em cima do adversário. Instalou acampamento na intermediária de ataque e ali procurava criar uma chance de gol. Os atacantes André e Maicosuel ainda não tinham encontrado uma brecha para concluir a gol e por isso ainda apareciam como figuras apagadas no jogo.

Paraná priorizou a marcação, mas ainda conseguia sair em contra-ataque. As tentativas, porém, não eram bem construídas, até o porque o Grêmio induzia o inimigo ao erro. A peça mais ativa dos donos da casa era Silvinho. Veloz, o meia-atacante tentava acelerar o jogo para Henrique e Carlos, mas as jogadas terminavam com conclusões sem direção ou com passes errados.

Aos 30 minutos, o jogo seguia com o panorama inalterado. Grêmio com o seu adversário encurralado, cercado, mas não sabia como finalizar. Sem Everton, o Tricolor ficou refém das bolas paradas, na maioria das vezes proporcionadas pelas faltas em cima de Luan. Aos 36 minutos, na melhor delas, o camisa 7 lançou a bola para a área e André cabeceou. Para azar do centroavante, a conclusão foi alta demais. O primeiro tempo chegou ao fim com um Grêmio carente de criatividade e um Paraná grato por ter sobrevivido aos 45 minutos iniciais.

Tricolor cresce no final, mas goleiro do Paraná brilha 

Sem modificações no intervalo, o Grêmio voltou para o jogo com o mesmo problema de antes. A falta de agressividade do time gaúcho parecia que tinha sido solucionada aos cinco minutos, quando Ramiro fez uma combinaçã com Maicosuel pela direita e cruzou para André dentro da área. O centroavante surgiu livre e só tocou de chapa para o fundo das redes. A comemoração, no entanto, nem chegou a ser feita porque o árbitro Rodrigo Batista marcou impedimento do camisa 90.

Por outro lado, o Paraná apresentou uma mudança sensível em sua postura. Depois de passar muito tempo aceitando o domínio do adversário, o time da casa passou a apresentar algumas tentativas de saídas rápidas para o ataque, reações de quem gostaria de arriscar mais dentro do jogo. A qualidade era o que faltava, já que Silvinho carregava o time nas costas, principalmente no que diz respeito às ações ofensivas.

Uma alteração no placar passava por uma intervenção de Renato Portaluppi. Aos 22 minutos, o técnico decidiu agir e fez logo duas mudanças de uma vez só. Cícero e Pepê entraram nas vagas de Jailson e Maicosuel. Enquanto o Grêmio tentava superar as próprias dificuldades, o Paraná passou a apreciar mais o jogo.

Silvinho ganhou mais espaço com as mudanças de peças gremistas e aos 30 minutos construiu o melhor lance dos donos das casa. Ele puxou o contra-ataque pelo lado esquerdo e lançou Caio Henrique. O meia-atacante fintou a marcação de Maicon e arriscou o chute de fora da área. A bola passou perto do travessão de Grohe.

Em uma medida já conhecida, o técnico Renato Portaluppi tirou o lateral Léo Moura para entrada do garoto Lima. Ramiro, dessa forma, passou a ser o lateral direito. A mudança surtiu efeito e foi ele quemn apareceu no flanco para criar o melhor lance do Grêmio na partida. Ele cruzou para André, o centroavante cabeceou e Thiago Rodrigues fez uma grande defesa.

Aos 41, um replay da jogada anterior. Ramiro fez o cruzamento da direita e Cícero entrou de peixinho. Ele cabeceou bem, mas a bola não fez a direção correta e saiu pela linha de fundo, para alívio do goleiro Thiago Rodrigues. O arqueiro ainda teve mais trabalho, quando Lima arriscou de fora da área aos 51 minutos e o jogador do Paraná fez uma boa intervenção.

Brasileirão 2018 – 6ª Rodada

Paraná 0

T. Rodrigues; Junior, Neris, Cleber Reis e Mansur; Vilela (Léo Itaperuna), Jhonny Lucas, Torito e Caio Henrique (Alex Santana); Carlos e Silvinho.

Técnico: Rogério Micale

Grêmio 0

Marcelo Grohe; Leo Moura, Kannemann, Bressan e Cortez; Maicon, Jailson (Cícero), Ramiro e Luan; Maicosuel (Pepê) e André.

Técnico: Renato Portaluppi

Cartões Amarelos: Carlos (P); Pepê (G)

Árbitro: Rodrigo Batista Raposo (DF)

Local: Durival de Britto, Paraná

 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Indivíduo, que ainda não teve a identidade confirmada, teria sido alvejado por quatro disparos de arma de fogo.

Veículo cortou a frente de ônibus que transportava cerca de 20 pessoas. Pelo menos 11 pessoas ficaram feridas, sendo que quatro permanecem no HBB, em estado regular.

Mulher havia registrado ocorrência de Maria da Penha contra o indivíduo.

Ele foi agredido com socos e teve sua carteira, com documentos e cerca de R$ 1 mil, levada.