Giro do Vale / Geral / País

Depois de embate jurídico, relator no TRF4 mantém prisão de Lula

João Pedro Gebran Neto revogou soltura de ex-presidente, concedida por outro desembargador do mesmo tribunal.

Foto: Divulgação

Em nova reviravolta jurídica, o desembargador João Pedro Gebran Neto revogou o habeas corpus concedido mais cedo pelo colega Rogério Favreto e manteve a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em decisão divulgada às 14h13 deste domingo, dia 8, Gebran determinou que “a autoridade coatora e a Polícia Federal do Paraná se abstenham de praticar qualquer ato que modifique a decisão colegiada da 8ª Turma”. Gebran é o relator do processo do triplex no Guarujá (SP) no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), no qual o petista foi condenado a 12 anos e um mês de cadeia.

Na decisão, o magistrado disse que agiu para “evitar maior tumulto para a tramitação deste habeas corpus” e reafirmou competência exclusiva no processo. “A decisão proferida em caráter de plantão poderia ser revista por mim, juiz natural para este processo, em qualquer momento”, justificou.

Na prática, Gebran cassou a decisão de Favreto, que responde em regime de plantão pelas decisões do TRF4 até as 11h desta segunda-feira, dia 9. “O eminente desembargador plantonista não detém competência para a análise do pedido de habeas corpus”, escreveu. Nas justificativas, o desembargador citou ainda o fato de que os três autores do habeas corpus — os deputados do PT Paulo Pimenta (RS), Wadih Damous (RJ) e Paulo Teixeira (SP) não constam nos autos como representantes legais de Lula e repetiu a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) sob a execução de pena após segunda instância.

Gebran ainda salientou que não havia ilegalidades supostamente cometidas por Moro na decretação da prisão de Lula. Na decisão de Favreto, ele afirmou a detenção do ex-presidente era “ilegal e inconstitucional.”

“Ocorre que o paciente está recolhido à prisão por determinação desse Tribunal”, reforçou Gebran. O relator do processo se manifestou atendendo a recurso do Ministério Público Federal (MPF) e a pedido do próprio Moro. ÀS 12h5min, o titular da 13ª Vara Federal de Curitiba havia determinado à PF que não soltasse Lula antes de “manifestação do relator do processo no tribunal, o desembargador João Pedro Gebran Neto”.

 

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Indivíduo, que ainda não teve a identidade confirmada, teria sido alvejado por quatro disparos de arma de fogo.

Veículo cortou a frente de ônibus que transportava cerca de 20 pessoas. Pelo menos 11 pessoas ficaram feridas, sendo que quatro permanecem no HBB, em estado regular.

Mulher havia registrado ocorrência de Maria da Penha contra o indivíduo.

Ele foi agredido com socos e teve sua carteira, com documentos e cerca de R$ 1 mil, levada.