Giro do Vale / Destaque / Estado / Polícia

Operação apura suposta fraude em licitações no Daer

Operação apura suposta fraude em licitações no Daer

Foto: Polícia Civil / Divulgação

A Polícia Civil realizou, na manhã desta terça-feira. dia 14, uma operação para apurar fraudes em licitações do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer).

Conforme apuração feita pela Controladoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage), a fraude investigada teria provocado prejuízos de aproximadamente R$ 500 mil.

Na operação denominada Abecedário foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão nas cidades de Porto Alegre, Cachoeirinha e São Leopoldo, na Região Metropolitana, em Passo Fundo, no Norte gaúcho, e no Rio de Janeiro.

A ação contou com a participação de 85 policiais civis, 28 viaturas e o apoio da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Transporte e o Daer informaram que adotaram as medidas necessárias para apurar as suspeitas de irregularidades. Ainda de acordo com a nota, o responsável pela contratação foi exonerado, além do rompimento do contrato e notificação das empresas para que os valores fossem devolvidos.

De acordo com o delegado Sander Cajal, a operação é apenas mais uma fase da investigação, que agora busca documentos e outras provas que possam contribuir com o que já foi apurado pela polícia.

“São em torno de 11 a 13 investigados, mas esse número pode aumentar a partir do que for sendo apurado”, disse o delegado, afirmando ainda que já foi confirmado o envolvimento de servidores e ex-servidores.

O caso

Em setembro de 2017 uma sindicância que investigou a terceirização de um serviço de protocolo no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) identificou problemas como sobrepreço e a contratação desnecessária de uma empresa.

O caso fez com que um diretor pedisse exoneração do cargo devido a conclusão da sindicância. O procedimento apontou que ele conduziu o processo de contratação e teria alegado urgência para conseguir terceirizar o serviço de protocolo.

De acordo com a sindicância, algumas das empresas que participaram do processo de contratação por meio de carta convite eram de propriedade da mesma pessoa. A concessão teria gerado um custo adicional de R$ 400 mil aos cofres públicos.

Confira a nota na íntegra:

A Secretaria dos Transportes e o Daer tomaram todas as providências cabíveis para apurar as suspeitas de irregularidades quanto à contratação dos serviços de protocolo da autarquia, realizada em 2016. Após apontamentos realizados pela Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage), houve a exoneração do diretor responsável pelo contrato, assim como o rompimento, por parte do Daer, dos vínculos firmados com as empresas. As mesmas foram notificadas a devolver ao erário público os valores apontados como indevidamente pagos.

A Secretaria dos Transportes, juntamente com o departamento, abriu uma sindicância, que apurou as devidas responsabilidades e deu andamento às providências necessárias. A Procuradoria-Geral do Estado (PGE), assim, instaurou o respectivo Processo Administrativo Disciplinar (PAD). A secretaria salienta que não há qualquer tipo de investigação ocorrendo no âmbito do Daer e, sim, relacionada a agentes públicos específicos e empresas contratadas ao longo de 2016.

Por fim, o Estado reforça seu interesse no total esclarecimento dos fatos e na aplicação das penalidades aos responsabilizados. Para tanto, a Secretaria dos Transportes e o Daer já encaminharam oficialmente todos os documentos e procedimentos relacionados para o Ministério Público, Cage e PGE, no intuito de colaborar com as investigações.

G1-RS

Comentários

  1. anonimo disse:

    daer..uma máquina de fazer dinheiro e desvio de combustíveis as custas da gauchada que trabalha..o pessoal do daer….ah esses estão sempre de folga.férias .aba etc

  2. lh disse:

    Daer so serve para aposentar funcionariou

Publicidade

Últimas Notícias

Também foram encontradas aproximadamente 20 buchas de crack, bem como dinheiro trocado, característico do tráfico de drogas

Estrutura tem condição de grave e iminente risco à saúde e à integridade física dos 353 trabalhadores

Criminosos, um homem e quatro mulheres, são de Porto Alegre