Giro do Vale / País / Política

Em reunião com partidos, Bolsonaro fala em ampliar reforma trabalhista e dividir a da Previdência

Presidente eleito visitou bancadas na Câmara na tarde desta terça-feira, dia 4, em busca de apoio

Foto: Divulgação / MDB

Ampliar a reforma trabalhista e dividir a da Previdência em mais de um projeto foram alguns dos planos apresentados por Jair Bolsonaro (PSL) a bancadas partidárias da Câmara. Nesta terça-feira, dia 4, ele se reuniu com parlamentares de MDB e PRB, no primeiro movimento de aproximação com lideranças partidárias desde sua eleição. O futuro presidente pediu apoio às propostas e voltou a afirmar que não irá distribuir cargos em troca de apoio.

Ele parabenizou os deputados que votaram a favor das alterações nos direitos trabalhistas, pontuando que ainda é preciso ampliar as mudanças, sem detalhar quais pontos pretende rediscutir.

— Os empregadores dizem que o Brasil é o país dos direitos, mas não tem empregos. Isso tem que ser equacionado um dia.

Prevendo dificuldades no Congresso, Bolsonaro admitiu dividir a reforma da Previdência em vários textos. O foco principal seria a definição de idade mínima para aposentadoria por tempo de serviço. Ele defende o aumento de dois anos “para todo mundo”, sem explicar qual seria a base do cálculo. A proposta que tramita no Legislativo, enviada por Michel Temer, prevê os pisos de 65 anos para homens e 62 para mulheres após período de transição.

— Nós queremos, sim, apresentar uma proposta de emenda à Constituição, começando a reforma pela Previdência pública e com chance de ser aprovada (…) Não adianta ter a proposta ideal, se ficar na Câmara e no Senado — destacou, afirmando que pretende “atacar privilégios”.

Para aprovar a idade mínima, será preciso mudar a Constituição. O ato exige a aprovação de 308 deputados em dois turnos. A equipe de Bolsonaro está otimista em obter este número. Já no Senado, são necessários 49 votos. Na avaliação da equipe de transição, a Casa ofereceria maior dificuldade.

Na segunda-feira (3), o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), afirmou que o governo terá quatro anos para aprovar a reforma da Previdência, destacando que não haverá pressa, caso o apoio não esteja garantido. Em entrevista para uma rádio colombiana, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) mencionou que “se o Congresso não aprovar as reformas, pelo menos vamos ter tentado”.

Encontro com partidos

Durante a tarde desta terça-feira (4), Bolsonaro iniciou o processo de aproximação dos partidos que formam a Câmara. Nos encontros com deputados de MDB e PRB, os temas predominantes foram a necessidade de reformas e de apoio dos parlamentares. O presidente eleito classificou as agendas como “proveitosas”, citando que há “grande identidade” entre as siglas e os planos do futuro governo, o que também foi citado pelos líderes das bancadas. Para dar peso maior a suas palavras, Bolsonaro usou o antipetismo para provocar os presentes, dizendo que eles “sabem que não podem errar”, sob o risco da volta da esquerda ao poder.

Partidos satisfeitos

Integrantes de MDB e PRB saíram satisfeitos do encontro com o futuro presidente. O discurso dominante entre quem participou das agendas é o de que Bolsonaro repetiu que não irá realizar negociações envolvendo a troca de apoio por cargos no governo.

Líder da bancada emedebista na Câmara dos Deputados, Baleia Rossi (SP), demonstrou otimismo em relação à pauta econômica que deverá ser apresentada pelo Executivo nos primeiros meses de 2019, mas destacou que é preciso manter um canal de diálogo entre o Palácio do Planalto e o Congresso.

— O governo precisa de uma parceria forte com o Parlamento.

Nos bastidores, representantes de diversas siglas vinham criticando a articulação política de Bolsonaro com bancadas temáticas — como a ruralista, a da saúde e a da assistência social — e a demora em conversar com as lideranças partidárias.

O presidente do MDB, senador Romero Jucá(RR), não foi ao encontro. Já o líder nacional do PRB, deputado federal Marcos Pereira (SP), foi o principal interlocutor de sua legenda junto ao presidente eleito, prometendo apoio, apesar de afirmar que não integra a base aliada do futuro governo.

— Dissemos a ele que 80% da nossa pauta converge. Não vemos dificuldades em apoiá-lo — salientou.

Nesta quarta-feira, dia 5, Bolsonaro se reunirá com as bancadas do PSDB e do PR. Outros partidos serão convidados para encontros a partir da próxima semana. Definições para preenchimento de cargos de segundo e terceiro escalões deverão ocorrer após a conclusão destas agendas.

 

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Crime teria ocorrido na frente do filho da vítima, e seu companheiro é o principal suspeito

Vítima foi alvejada com três tiros na madrugada do dia 30 de março

Áreas de instabilidade podem trazer chuva em alguns pontos do Estado

Condutor de um dos veículos envolvidos, fugiu do local