Giro do Vale / Estado / Geral

Governo do RS prevê começar a pagar salários de novembro na terça-feira

Quitação de valores referentes a consignações de outubro antecipou em um dia a previsão do Piratini

Foto: Divulgação

Após quitar, na tarde desta quinta-feira (6), os valores referentes a consignações de outubro, o governo do Estado está prevendo pagar, na próxima terça-feira (11), a primeira faixa dos salários de novembro do funcionalismo. O governo espera o ingresso de recursos de ICMS de substituição tributária interestadual, combustíveis, telecomunicações e energia elétrica — previsto para ocorrer entre os dias 9 e 11. Há a possibilidade de os pagamentos ocorrerem já no dia 10.

A quitação dos R$ 180 milhões de consignações de outubro, feita nesta quinta-feira, adiantou em um dia a previsão de início dos pagamentos de novembro. As consignações são valores descontados em folha e repassados para bancos e sindicatos, por solicitação dos servidores. Apenas ao Banrisul foram R$ 130 milhões.

Pelo segundo mês consecutivo, no fim de novembro o Piratini não pagou nenhuma faixa salarial em dia. A folha líquida do mês passado fechou em R$ 1,2 bilhão.

Histórico
Dezembro é o 36º mês de pagamentos atrasados na gestão de José Ivo Sartori. Em 2015, foram dois meses com salários parcelados; em 2016, 11 meses (de fevereiro a dezembro); e, em 2017, houve atrasos em todos os meses, o que se repete desde janeiro deste ano.

Em setembro passado, o governo do Estado mudou a forma de efetuar os parcelamentos. Até então, o Piratini pagava parcelas iguais para todos os servidores, conforme havia recursos. Desde setembro de 2017, diante dos recursos em caixa, o governo faz um escalonamento dos pagamentos: primeiro, deposita a integralidade dos vencimentos mais baixos e, à medida que ingressam recursos, a totalidade dos mais altos.

 

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Envie-nos o seu comentário

Publicidade

Últimas Notícias

Corpo estava próximo ao Rancho Bonanza

Trio armado rendeu as duas pessoas que estavam no veículo

Regiões mais afetadas são monitoradas pela RGE e pela RGE Sul