Giro do Vale / Destaque / Lajeado / Polícia

Grupo que revendia alimentos estragados no Vale do Taquari é condenado

Decisão de primeira instância é relacionada a crimes que teriam sido cometidos em 2015 e 2016.

Produtos vencidos eram vendidos para comércio no Vale do Taquari (Foto: MP/RS)

Quatro pessoas acusadas pelo Ministério Público Estadual (MP-RS) de revenderem alimentos estragados foram condenadas a penas que variam entre três e quatro anos de detenção – quando as penas podem ser convertidas em serviços comunitários ou multa – e três e seis anos de reclusão por integrarem organização criminosa para o cometimento de crimes contra o meio ambiente e contra as relações de consumo. Os crimes teriam ocorrido entre julho de 2015 e julho de 2016. A decisão do juiz da 1ª Vara Criminal de Lajeado, Rodrigo de Azevedo Bortoli, é do dia 10 de dezembro.

Os denunciados são ligados a empresa Urbanizadora Lenan, condenada ao pagamento de multa por funcionar sem licenciamento ambiental. Os réus irão recorrer da decisão de primeira instância.

Alimentos vencidos ou estragados

Segundo o MP, os denunciados revendiam alimentos e bebidas vencidos ou estragados. A Urbanizadora era contratada por uma rede de supermercados do Vale do Taquari para levar produtos vencidos para o aterro sanitário de Serafina Corrêa. No entanto, esse material era estocado em um galpão para, depois, ser entregue a compradores (mercados pequenos, organizadores de festas e mesmo atacadistas) e nas revendas da família.

A organização criminosa informava aos interessados não só que os produtos estavam vencidos como dava dicas sobre como suprimir a data de validade do produto. Para uma festa de final de ano de uma academia de ginástica, por exemplo, foram vendidas caixas de vodka e energético vencidos. Já uma pizzaria comprava queijos e peixes que deveriam ir para o aterro sanitário.

Segundo o MP, o grupo criminoso também disponibilizava a venda leite vencido havia mais de cinco meses, chocolate, biscoitos, massas, bem como produtos de peixaria e outros alimentos congelados, que ficam acondicionados em tonéis, sem refrigeração, junto a pesticidas, inseticidas e soda cáustica.

Em julho de 2016, a Operação Lavoisier cumpriu mandados de busca e apreensão em Lajeado, quando foram apreendidas mais de 2,2 toneladas de alimentos, bebidas, produtos de limpeza e inseticidas vencidos ou estragados que seriam vendidos para o mercado de consumo da região do Vale do Taquari. Os produtos foram encontrados em duas residências, um galpão e diversos estabelecimentos comerciais. As investigações derivaram de outra Operação, denominada Lixius Lex, que trata das contratações para coleta de resíduos domésticos na região.

 

Grupo Independente

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

A medida foi uma determinação da Agência Nacional de Telecomunicações

Dia permanece limpo em quase todas as regiões do Estado

As causas da morte ainda são desconhecidas

A restituição ficará disponível no banco durante um ano