Giro do Vale / Anta Gorda / Destaque / Polícia

Em depoimento, mulher de dentista preso minimiza rixa entre marido e gerente desaparecido

Homem de 52 anos, foi detido por homicídio e ocultação de cadáver de Jacir Potrich em Anta Gorda

Foto: Polícia Civil / Divulgação

Após duas horas e 15 minutos de depoimento à Polícia Civil, a mulher do dentista de 52 anos, preso na semana passada por suspeita de matar e ocultar o cadáver do gerente do Sicredi de Anta Gorda, Jacir Potrich, afirmou que não viu ou ouviu nada suspeito no condomínio onde morava o bancário. O conjunto residencial é o último lugar em que Potrich foi visto.

A mulher de 51 anos, que também é dentista e não teve a identidade divulgada pela polícia, foi a última a chegar ao condomínio. Minutos antes, o marido dela, de 52 anos, e Potrich, entraram.

“Os dois ingressam praticamente junto, com diferença de minutos entre um e outro” comenta o delegado Guilherme Pacífico, responsável pelo caso.

Aos investigadores, a mulher afirmou que apenas avistou o marido na parte externa da residência com um cabo de vassoura, e que esse objeto, segundo a investigação, foi usado por Patussi para desviar o foco de uma câmera. A dentista disse, ainda, que passou em casa para tomar banho antes de sair novamente, pois ia participar de um curso em Porto Alegre.

“Ela acha que o marido não tem envolvimento e que não o considera suspeito” observa o delegado.

No depoimento, a mulher disse que não desconfiou do companheiro nem mesmo com a notícia do desaparecimento do vizinho. Sobre a rixa entre Patussi e Potrich, ela disse que a situação não era tão grave e, no testemunho, disse que a troca de endereço do Sicredi na cidade não era motivo para que o marido fizesse algo. O prédio antigo era locado pelo dentista, que considerou a mudança uma traição do bancário por não ter sido avisado.

Segundo o delegado, a mulher se manteve calma no depoimento e não chegou a ser interrompida pelos dois advogados que a acompanhavam.

Álcool de Cozinha

Os investigadores também questionaram a dentista da grande quantidade de álcool de cozinha encontrada na residência. A mulher explicou que os produtos são utilizados para a limpeza dos dois consultórios, da casa e para queimar folhas. Nos fundos do terreno, árvores revelam que foi feito fogo que resultou em altas labaredas que ficaram marcadas nas plantas. Perguntada sobre isso, disse que não tinha reparado.

Além disso, a dentista disse desconhecer o que possa ter acontecido com o corpo de Jacir. Uma faxineira também estava na casa. Ela já foi ouvida pela polícia e disse que não percebeu nenhuma anormalidade.

Antes do depoimento, a mulher foi procurada pela reportagem na delegacia e disse que não queria se manifestar, o que foi mantido após ser ouvida.

Na saída da delegacia, o advogado Felipe Pozzebom, que defende o dentista, afirmou que a mulher do seu cliente prestou todos os esclarecimentos à polícia:

“Ela tem todo o interesse que a verdade seja reestabelecida, essa questão seja resolvida o mais rápido possível para que seu marido seja posto em liberdade e a vida volte ao normal e que seja virada essa página”.

Gaúcha ZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Quina teve 17 acertadores com direito a prêmio superior a R$ 113 mil

Manhã poderá ter formação isolada de neblina, com mínimas de 13°C em Porto Alegre

Ele teria sido arrastado por uma correnteza e não foi mais visto

Entre o material apreendido está um pen drive com conteúdo nazista e pornografia infantil