Giro do Vale / Destaque / País / Política

Davi Alcolumbre é eleito presidente do Senado

Num pleito marcado por muita confusão, senador democrata obteve 42 votos

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom /Agência Brasil

Enfim, encerrou a votação para a presidência do Senado. Davi Alcolumbre (DEM) foi eleito neste sábado após mais um dia tenso no plenário da Casa. O senador democrata obteve 42 votos. Ângelo Coronel (PSD) teve 8; Espiridião Amin (PP), 13; Fernando Collor (Pros), 3 votos e Reguffe (sem partido-DF), 6 votos.

Senador de primeiro mandato, Alcolumbre teve uma atuação discreta nos primeiros quatro anos de mandato no Senado. Na disputa pelo comando da Casa, revelou-se um hábil articulador, congregando os adversários de Renan Calheiros e os aliados do governo federal. O novo presidente contou com o apoio do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também filiado ao DEM.

Aos 41 anos, o senador estreou na política no início deste século. Foi vereador em Macapá, três vezes deputado federal e chegou ao Senado em 2015. Nas eleições de outubro passado, concorreu ao governo do Amapá e ficou em terceiro lugar. É um dos mais jovens senadores a assumir a presidência da Casa.

Sem Renan, o MDB fica de fora da presidência do Senado pela primeira vez desde 2007, quando o petista Tião Viana foi interino. De 1985 até hoje, o partido só ficou sem a presidência do Senado na gestão ACM (Antônio Carlos Magalhães) e na interinidade de Edison Lobão e Tião Viana.

Votação em cédula e discurso de Renan

Após os senadores decidirem revelar o voto e o entorno do senador Renan Calheiros perceber que ele perderia a eleição, Renan subiu à tribuna e anunciou que o adversário Davi Alcolumbre (DEM) seria o próximo presidente da Casa. “Queriam abrir o voto para constranger a maioria, então paciência”, disse. “Não vou me submeter.”

A partir do movimento, senadores do grupo de Renan pediram para que a votação fosse refeita pela terceira vez, o que não foi aceito. Ela já havia sido repetida após a contagem dos votos revelar que havia 82 cédulas na primeira votação, um a mais do que o número de senadores na Casa. A decisão de senadores de exibirem suas cédulas se deu após o plenário aprovar, na sexta-feira, 1º, que a votação seria aberta.

Noite de sexta-feira tensa

A sessão foi suspensa na noite dessa sexta-feira e estava sob a presidência do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Horas antes, os senadores decidiram, por 50 votos a favor e dois contra, que a eleição dos membros da Mesa Diretora seria feita em votação aberta.

A reunião para a escolha da Mesa Diretora do Senado foi adiada após cinco horas de discussões. O impasse se deu em torno da decisão pelo voto aberto. A sessão foi marcada por reações acaloradas de senadores, vários dos quais não aceitaram a mudança do rito para escolha do novo presidente. Sem acordo, a sessão foi suspensa e remarcada.

O clima foi de tensão foi marcado por protestos contra o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP). Senadores do MDB contestavam a presidência interina de Alcolumbre, pois ele também é candidato ao comando do Senado.

A senadora Katia Abreu (MDB-TO) tirou da Mesa a pasta com o roteiro de condução da sessão. “Por favor, me devolva a pasta, senadora”, pediu Alcolumbre. “Não devolvo. Vem tomar. Você não pode estar aí”, respondeu a senadora.

Alcolumbre assumiu a presidência e colocou em votação a proposta para que a eleição da Mesa Diretora fosse aberta. Ele comandou a sessão porque era remanescente da Mesa Diretora passada. Os aliados do senador Renan Calheiros (MDB-AL), escolhido pelo MDB para disputar o cargo de presidente, argumentaram que Alcolumbre não tinha isenção para comandar a reunião.

Na madrugada deste sábado, porém, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, acatou um pedido do MDB e do Solidariedade para que a votação do próximo presidente do Senado fosse secreta, como consta no Regimento Interno.

Assim que o senador Renan Calheiros retirou a sua candidatura à presidência do Senado, a sua correligionária, senadora Simone Tebet (MDB-MS), comemorou. Ela foi preterida dentro do partido, que indicou Renan para a disputa ao cargo. Desde o início das articulações para o pleito, ela se opôs ao senador. “Não teve macho, mas teve mulher para derrubar esse coronel. Preferia voltar para a minha cidade e ser prefeita a ter esse MDB aqui”, disse ao abraçar Regina Perondi, esposa do ex-deputado Darcísio Perondi (MDB-RS).

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

A terça-feira será o último dia sob bloqueio atmosférico responsável pelo tempo seco e muito quente para a época do ano

Em quatro oportunidades o homem teve a prática criminosa em frente a atendentes do pedágio

Vítima chegou a ser socorrida, mas chegou ao hospital sem vida

Vítima recebeu a ligação de um indivíduo se identificando como pai da jovem, que solicitou a quantia de R$ 1,5 mil para que as fotos não fossem divulgadas