Giro do Vale / Destaque / Economia / País

Trabalhador terá que contribuir por 40 anos para conseguir se aposentar com 100% do salário

Os segurados que ganham mais de um salário mínimo terão direito a 60% do benefício ao completarem 20 anos de contribuição

O Ministério da Economia confirmou nesta quarta-feira, dia 20, que os brasileiros que ganham acima de um salário mínimo precisarão contribuir por 40 anos para conseguir se aposentar com 100% do salário de contribuição (cujo teto hoje é de R$ 5,83 mil).

Para quem ganha o piso, nada muda, uma vez que o texto proíbe o pagamento de qualquer aposentadoria abaixo de um salário mínimo. Mesmo assim, essa regra deve ser um dos focos de resistência dos parlamentares durante a tramitação no Congresso Nacional.

O ministério também confirmou que os segurados que ganham mais de um salário mínimo vão ter direito a 60% do benefício ao completar 20 anos de contribuição – que passaria a ser o tempo mínimo de contribuição, hoje em 15 anos. A cada ano adicional, são conquistados mais 2 pontos porcentuais. Por exemplo, quem conseguir ficar 35 anos recolhendo para a Previdência vai receber 90% do salário de contribuição.

A regra vale tanto para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) quanto para o regime dos servidores públicos, embora o tempo mínimo de contribuição a ser exigido seja diferente. Enquanto no INSS será de 20 anos, para o funcionalismo seria de 25 anos. Para professores, que, pela proposta, seriam contemplados com idade mínima menor (60 anos), a exigência seria de 30 anos de contribuição.

Militares

O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, disse nesta quarta-feira que a proposta da reforma previdenciária dos militares será apresentada em até 30 dias. O secretário acompanhou o presidente Jair Bolsonaro na entrega da proposta da reforma da Previdência no Congresso.

“Estamos trabalhando a equidade. Todos darão a sua contribuição, inclusive os militares. De hoje a 30 dias o projeto será apresentado, já que se trata da conformação de cinco outras leis. Não tivemos condição de apresentar em tempo hábil dada a complexidade da elaboração da própria PEC”, disse. Em seguida, o secretário acrescentou que: “São cinco leis diferentes que precisam ser compatibilizadas em uma única lei para que possa ser enviada à Câmara”.

Dívidas

Marinho disse que o governo federal prepara ainda uma proposta para endurecer a cobrança de dívidas previdenciárias a partir de R$ 15 milhões. “São 4 mil devedores em todo o Brasil. Vamos dar um empenho maior ainda na cobrança das dívidas.”

O secretário também informou que a reforma da Previdência proposta pelo governo federal vai gerar uma economia estimada de R$ 1,167 trilhão em dez anos. “A proposta ataca o problema da desigualdade, um ataque a privilégios. As alíquotas serão minoradas para 70% daqueles que contribuem hoje para a Previdência Social, vai baixar de 8% para 7,5%. Quem estiver no teto do serviço público e do funcionalismo acima do teto pagará 22% de alíquota em uma escala crescente, a exemplo do que é no Imposto de Renda”, destacou Marinho.

O Sul

Comentários

  1. Anônimo disse:

    Para quem tem 20 anos de carteira e mais 12 de bloco como fica dando dinheiro de Grace p o governo

  2. Anônimo disse:

    Se a previdência está quebrada por que o paulo guedes recentemente retirou 600 bilhoes do inss para aplicar em outras áreas?

Publicidade

Últimas Notícias

Três veículos se envolveram no acidente na altura do Km 344, próximo ao Guinhos Sansão

A vítima foi espancada, torturada, jogada em um terreno baldio e queimada

Com a colisão, a carreta ficou atravessada na rodovia. O trânsito chegou a ficar interrompido em ambos os sentidos

Uma van do transporte universitário de Boqueirão do Leão, com destino a Lajeado, e uma Saveiro e uma Saveiro se envolveram no acidente