Giro do Vale / Destaque / Internacional

Atentados no Sri Lanka deixam ao menos 207 mortos

Ao menos 450 pessoas ficaram feridas na série de atentados contra igrejas e hotéis de luxo

Foto: Lakruwan Wanniarachchi / AFP

Uma série de atentados ocorrida na madrugada deste domingo no Sri Lanka deixou 207 pessoas mortas. Um toque de recolher entrou em vigor por tempo indeterminado após ataques atingirem igrejas e hotéis, de acordo com a polícia local. O Ministério da Defesa decidiu anunciar o toque de recolher de 12 horas. O número de feridos seria de 450. 

Três policiais morreram logo depois que homem-bomba fez uma detonação em um prédio, localizado no subúrbio do Norte da Capital, Colomb. A explosão aconteceu no começo da tarde (hora local) em Orugodawatta e foi a oitava registrada na região. Igrejas que celebravam a missa pelo Domingo de Páscoa e hotéis de luxo foram atingidos na capital e em outras duas cidades do país. 

A primeira onda de ataque atingiu o “coração” da minoria cristã do país. Igrejas nas cidades de Colombo, Negombo e Batticaloa registraram explosões neste domingo. Novas detonações foram contabilizadas em hotéis considerados de luxo, tais como Shangri La, Cinnamon Grand e no hotel Kingsbury. Em nota, a administração do Shangri La relatou que um determinado local do prédio foi atingido por uma bomba logo depois das 9h (horário local). O prédio é popular entre turistas e costuma sediar encontros de negócios da comunidade do Sri Lanka. 

Redes sociais bloqueadas 

“O governo decidiu bloquear todas as plataformas das redes sociais, com o objetivo de impedir a propagação de informações incorretas e falsas. Trata-se de uma medida temporária”, anunciou a Presidência, em uma nota.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

A identidade da vítima ainda não foi confirmada. O corpo será encaminhado para a necropsia

Policiais devem cumprir 38 mandados de busca e apreensão e 14 de prisão preventiva

Um dos tiros atingiu a caminhonete e outro a barriga do homem

A partir do dia 16 de dezembro, os trabalhadores terão acesso somente à versão digital do documento