Giro do Vale / Polícia / Venâncio Aires

Caso de suposto trabalho escravo em Venâncio Aires terá audiência segunda-feira no MPT

Procuradora chamou empresários para propor assinatura de termo de ajuste de conduta, com pagamento de dano moral individual e coletivo

No local de moradia havia muita poeira, teias de aranhas e sujidades (Foto: Lucilene Pacini / MPT / Divulgação)

O caso de suposto trabalho escravo identificado em propriedade rural do município de Venâncio Aires e divulgado terça-feira, dia 30, véspera do Dia do Trabalhador, terá sequência na próxima segunda-feira, dia 6, às 14h, quando será realizada audiência administrativa no Ministério Público do Trabalho (MPT), em Santa Cruz do Sul, unidade com abrangência sobre Venâncio.

A procuradora Thaís Fidelis Alves Bruch chamou os dois proprietários para propor assinatura de termo de ajuste de conduta, com pagamento de dano moral individual e coletivo. Caso o casal não aceite assinar o documento, a procuradora poderá ajuizar ação civil pública (ACP).

Uma força-tarefa identificou um trabalhador, com 61 anos de idade – sendo 15 anos de trabalho prestado ao produtor rural. Conforme o MPT, o trabalhador estava submetido à condição degradante de trabalho, notadamente pelo trabalho informal e sem pagamento de salários em espécie. Além de inexistência, na moradia, de água limpa para higiene, preparo de alimentos e demais necessidades. Sem instalações sanitárias. Não havia água potável para consumo do trabalhador no local de trabalho e moradia. Ausência de local adequado para o preparo e consumo das refeições.

Verificou-se, portanto, que se tratava de trabalhador que necessitava ser retirado daquele local e encaminhado para os serviços de saúde.

AI

Comentários

  1. Anônimo disse:

    Esse é o efeito do capitalismo….

Publicidade

Últimas Notícias

Com mudança de ponto facultativo, unidades não abrem na sexta-feira

Serão beneficiados 3,6 milhões nascidos em outubro, além do grupo do Bolsa Família, com final 8 do NIS, que recebe a parcela extra de R$ 300

Documento autoriza indústrias a operarem na capacidade máxima em regiões de bandeira laranja; e público de até 100 pessoas em festas e shows em regiões de bandeira amarela

Mercado está afetado pela redução da produção, imposta pela estiagem, maior consumo durante pandemia e crescimento das exportações