Giro do Vale / Destaque / Polícia

Polícia desarticula rede de lavagem de dinheiro montada por facção do RS

Lajeado está entre as cidades onde estão sendo cumpridos mandados

Foto: Divulgação / Twitter Polícia Civil

Após quatro meses de investigação, a Polícia Civil deflagrou, na manhã desta sexta-feira, dia 28, operação com 175 agentes para desarticular uma rede de lavagem de dinheiro montada por dois integrantes de uma facção gaúcha que tem base no Vale do Sinos. Estão sendo cumpridos 23 mandados de busca e cinco de prisão temporária em cinco cidades do Estado — até as 7h45min, quatro pessoas haviam sido presas.

Também estão sendo apreendidos 10 veículos, além do sequestro de cinco imóveis de luxo e o bloqueio de sete contas bancárias. Os bens sequestrados somam R$ 5 milhões.

Os dois alvos são suspeitos de utilizar uma rede de laranjas — com familiares e comparsas sem antecedentes criminais — para ocultar bens adquiridos com dinheiro do tráfico internacional de drogas e com a distribuição dos entorpecentes no Rio Grande do Sul. A dupla também atuaria com jogos de azar, utilizando, segundo a polícia, milícias para extorsões de contraventores e comerciantes.

A ação realizada pela Delegacia de Repressão ao Crime de Lavagem de Dinheiro do Departamento de Investigações do Narcotráfico (Denarc) obteve também 47 quebras de sigilo bancário, fiscal e financeiro de integrantes da organização criminosa. Os mandados ocorreram em São Leopoldo, Novo Hamburgo, Campo Bom, Porto Alegre e Lajeado.  

Foto: Divulgação / Twitter Polícia Civil

Alvos

Os dois homens alvos da operação são apontados como gerentes da facção do Vale do Sinos. Um deles é Marizan de Freitas, 31 anos, atualmente na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc).  

Além de antecedentes criminais por tráfico de drogas, associação para o tráfico, latrocínio, roubos, homicídios, associação criminosa, organização criminosa e porte de armas, ele tem 70 anos de condenação por homicídio e tráfico. Freitas é apontado como mandante de execuções, atuando em áreas como Campo Bom, São Francisco de Paula, Gramado e Parobé.  

O outro investigado é Antônio Marcos Braga Campos, o Chapolin, 36 anos, que está desde o ano passado em presídio federal de Mossoró (RN). Ele tem 56 anos de condenação e atua nas regiões dos vales do Taquari e do Rio Pardo.

GaúchaZH

Veja mais imagens

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Temperaturas devem ultrapassar a casa dos 30°C na região norte do Estado

No dia do aniversário de 116 anos, Tricolor presenteia o torcedor com boa atuação

Pottker marcou duas vezes na vitória por 3 a 1

Equipe venceu o Fluminense e terminou a primeira fase em terceiro lugar na Chave D