Giro do Vale / Destaque / Política

Comissão da Câmara aprova PEC que permite prisão em segunda instância

Por por 50 votos a 12, texto que modifica os artigos 102 e 105 da Constituição foi aprovado

Foto: Divulgação

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, por 50 votos a 12 a admissibilidade da proposta que abre caminho para prender condenados após a condenação em segunda instância. O texto, agora, será analisado por uma comissão especial que vai avaliar o teor da mudança. Depois, tem de ser votado em Plenário em dois turnos e passar pelo mesmo rito no Senado. 

Há duas semanas, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu de forma contrária e vinculou o início do cumprimento da pena ao chamado trânsito em julgado, quando se esgotam as possibilidades de recurso do réu. Hoje, os deputados aprovaram a PEC 199 de 2019, que modifica os artigos 102 e 105 da Constituição, acabando com o recurso extraordinário, apresentado ao STF, e o recurso especial, apresentado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Com isso, o réu só poderá recorrer até a segunda instância e, depois disso, o processo será considerado em transitado em julgado.

Essa é a segunda matéria apresentada pelo deputado Alex Manente (Cidadania-SP) que trata do assunto. Para evitar alterar o artigo 5º da Constituição Federal – conforme orientação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que alertava para o risco de que haveriam interpretações de que a presunção da inocência é uma cláusula pétrea e não poderia ser alterada por emenda à Constituição – o autor preferiu acabar com os recursos extraordinário e especial ao STF e ao STJ, previstos nos artigos 102 e 105 da Constituição.

Sendo assim, o “trânsito em julgado” seria antecipado para condenação em tribunal recursal. No Twitter, Manente comemorou: “Foi um trabalho árduo em encontrarmos um texto que não pudesse ter quaisquer questionamento jurídico. Isso só foi possível com o apoio da população. Brasil rumo ao fim da impunidade”.

A relatora do projeto, Caroline de Toni (PSL-SC), também celebrou a aprovação. Na rede social, escreveu: “Com muita luta conseguimos dar na CCJ uma resposta à sociedade que não aguenta mais viver no país da impunidade! Vamos em frente, Sérgio Moro e Jair Bolsonaro”.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Ao avistar a viatura da polícia, o indivíduo correu para dentro de uma casa abandonada, momento em que caiu, bateu a cabeça, e foi capturado

O fato ocorreu no km 350 da BR-386, em Estrela, nas imediações do Atacadão

Ao ver a polícia, o condutor entrou em uma via secundária e abandou o carro, mas acabou sendo localizado. Outro indivíduo conseguiu fugir

Um casal foi atropelado por um veículo Ford Focus de Vespasiano Correa, que seguia em direção ao município de Guaporé