Giro do Vale / Destaque / Fontoura Xavier / Polícia

Ex-chefe de escoteiros é denunciado por estupro de vulnerável e violação sexual em Fontoura Xavier

Segundo as investigações, 14 crianças e adolescentes foram vítimas do homem entre os anos de 2009 e 2014

Foto: Divulgação

A Promotoria de Justiça de Soledade apresentou, nesta quarta-feira, dia 13, denúncia contra o ex-chefe de um grupo de escoteiros de Fontoura Xavier pelos crimes de estupro de vulnerável e violação sexual mediante fraude. Segundo as investigações, 14 crianças e adolescentes foram vítimas do homem entre os anos de 2009 e 2014.

O denunciado se utilizava de fraude e artifícios intimidantes como sua autoridade em razão da posição de chefia do grupo e mentiras para constranger as crianças e adolescentes a praticarem ou permitirem os atos sexuais. Ele havia montado em suas residências um aparato de entretenimento com jogos, videogames, notebooks e aparelhos de DVD, como forma de atrair suas vítimas.

Além disso, também distribuía presentes, jantares e viagens às vítimas. Em cumprimento de mandado de busca e apreensão em uma das casas do denunciado, foi encontrado um DVD de filme com o título “Abuso Sexual”, um notebook com mais de 500 imagens contendo pornografia ou cenas de sexo explícito entre homens de idades variadas, algumas delas referentes a adolescentes.

O homem alegava para as vítimas que estava com câncer e necessitava do sêmen delas para se curar. Durante um acampamento, ele teria praticado atos sexuais com um das vítimas enquanto ela dormia.

A pena prevista para violação sexual é de dois a seis anos de prisão e, para estupro de vulnerável, oito a 15 anos, para cada ocorrência. Parte dos jovens foi vítima dos dois crimes diversas vezes.

Grupo Independente

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Apostadores são de Rio Branco e de Fortaleza

Veículo se deslocava no sentido capital – interior quando teve sua passagem obstruída pelo pedestre

No Vale do Taquari a temperatura máxima pode chegar aos 32ºC

Brasil tem 132 casos suspeitos, mas número pode aumentar