Giro do Vale / Destaque / Política

Bolsonaro exonera diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo

Ministro Sergio Moro fará um pronunciamento no final da manhã desta sexta

Foto: Agência Brasil / Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro decidiu exonerar o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, que chegou ao cargo indicado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira. Moro fará um pronunciamento no final da manhã de hoje.

Maurício Valeixo foi escolhido por Moro para o cargo no início do ano passado. O delegado foi Superintendente da corporação no Paraná, responsável pela Lava Jato, até ser convidado pelo ministro para assumir a diretoria-geral.

Embora a indicação para o comando da PF seja uma atribuição do presidente, tradicionalmente é o ministro da Justiça quem escolhe. De acordo com o correspondente da Rádio Guaíba em Brasília, Fábio Marçal, o nome preferido do governo federal para assumir o posto deixado por Valeixo é o de Alexandre Ramagem, que atualmente trabalha como diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Quinta-feira atribulada 

Nessa quinta-feira, Jair Bolsonaro quase perdeu seu ministro da Justiça, justamente por conta da continuidade ou não de Maurício Valeixo. Enquanto o chefe de Estado já desejava a saída de Valeixo, Moro então teria cogitado a possibilidade de deixar o governo. A ala militar foi obrigada a entrar em campo para convencer o ministro a permanecer no cargo. No final da tarde, o chefe da Casa Civil, Walter Braga Neto, confirmou a permanência de Sergio Moro na pasta do Ministério da Justiça.

Exaustão na direção da PF 

Maurício Valeixo já havia tratado de sua saída do cargo de diretor-geral da corporação com Moro, que tentava encontrar um nome de sua confiança para o posto. A conversa ocorreu no início do ano. O delegado, amigo do ministro, demonstrou exaustão, reportando-se a um 2019 tenso na direção da corporação.

Interlocutores de Valeixo dizem que a tentativa de substituí-lo ocorre desde o início do ano, mas que não teria relação com o que aconteceu no ano passado, quando Bolsonaro tentou pela primeira vez trocá-lo por outro nome. Na ocasião, o presidente teve que recuar diante da repercussão negativa que a interferência no órgão de investigação poderia gerar.

Nessa quinta, Valeixo reuniu-se com os 27 superintendentes regionais nos Estados por videoconferência. Também participaram os delegados federais que ocupam diretorias estratégicas da PF.

O diretor-geral descartou com veemência que sua saída seja movida por pressões políticas. Ele afastou rumores de que sua disposição em dar adeus à cadeira número 1 estaria relacionada à uma reação de aliados de Bolsonaro por causa de investigações que incomodam o Planalto.

No ano passado, após Bolsonaro antecipar a saída do superintendente da corporação no Rio de Janeiro, ministro e presidente travaram uma queda de braço pelo comando da PF.

Em agosto, o presidente antecipou o anúncio da saída de Ricardo Saadi do cargo, justificando que seria uma mudança por “produtividade” e que haveria “problemas” na superintendência. A declaração surpreendeu a cúpula da PF que, horas depois, em nota, contradisse o presidente ao afirmar que a substituição já estava planejada e não tinha “qualquer relação com desempenho”.

Nos dias seguintes, Bolsonaro subiu o tom. Declarou que “quem manda é ele” e que, se quisesse, poderia trocar o diretor-geral da PF.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Dupla transportava a droga de Foz do Iguaçu para Caxias do Sul

Proporção de negros e mulheres aumentou, mas ainda é inferior à presença na sociedade

Serão 7,8 milhões nascidos em outubro e novembro que recebem da 1ª à 5ª parcela de R$ 600, e outros 1,6 milhão do Bolsa Família, com NIS final 8

Tarde deverá ser agradável na maior parte do Estado, com máximas ao redor dos 20ºC