Giro do Vale / Saúde

EUA aprovam remdesivir para tratamento do novo coronavírus

Medicamento experimental abrevia a recuperação dos que sofrem de Covid-19

Foto: Divulgação

A agência americana reguladora de medicamentos e alimentos (FDA) autorizou o uso do antiviral remdesivir para o tratamento de pacientes com o novo coronavírus, anunciou nesta sexta-feira o presidente Donald Trump. “Estou feliz em anunciar que a Gilead (fabricante) obteve da FDA uma autorização urgente para o uso do remdesivir”, informou na Casa Branca.

O uso deste antiviral feito pelo laboratório americano Gilead Sciences foi aprovado depois que um grande teste clínico mostrou que reduz o tempo de recuperação em alguns pacientes com o novo coronavírus.

Foi a primeira vez que um medicamento mostrou eficácia contra a doença. “Estou feliz em anunciar que a Gilead (fabricante) obteve da FDA uma autorização urgente para o uso do remdesivir”, informou Trump na Casa Branca, ao lado do presidente da empresa, Daniel O’Day.

Estamos honrados com este primeiro passo para pacientes internados”, disse O’Day, acrescentando: “Queremos garantir que nada atrapalhe os pacientes que recebem o medicamento”. A empresa anunciou anteriormente que doaria cerca de 1,5 milhão de doses. Isso equivale a aproximadamente 140 mil tratamentos, com base em uma duração de 10 dias.

Distribuição aprovada

O remdesivir, que é administrado por injeção, já estava disponível para alguns pacientes que se inscreveram ou participaram dos testes. A aprovação permite que seja distribuído muito mais amplamente e usado por adultos e crianças hospitalizadas que estão gravemente doentes.

A FDA, que deu luz verde a esse uso emergencial, define como estado de gravidade aquele com os baixos níveis de oxigênio no sangue, o que torna necessário receber oxigenoterapia ou estar conectado a um respirador.

O Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID) divulgou na quarta-feira resultados encorajadores de um teste clínico envolvendo mais de 1 mil pessoas.

Esta pesquisa revelou que pacientes hospitalizados com Covid-19 com dificuldade respiratória melhoraram mais rapidamente do que aqueles que receberam um placebo.

Especificamente, os pacientes que tomaram o medicamento tiveram um tempo de recuperação 31% mais rápido. “Embora os resultados tenham sido claramente positivos do ponto de vista estatístico, eles foram modestos”, disse na quinta-feira Anthony Fauci, cientista que lidera o NIAID e um dos principais conselheiros de Trump nesta pandemia.

Mas, embora não seja considerado uma cura milagrosa, o estudo com remdesivir pode abrir caminho para melhores tratamentos, de acordo com Fauci. 

O remdesivir é incorporado ao genoma do vírus, causando um curto-circuito no processo de replicação. Foi desenvolvido para tratar o Ebola, uma febre hemorrágica viral, mas não aumentou as taxas de sobrevivência como outros medicamentos. 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Homem de 75 anos morava sozinho no local

Quina rendeu mais de R$ 71 mil a apostadores

No Vale do Taquari a temperatura deve variar entre 20ºC e 33ºC

Estado pode recorrer e deve analisar decisão nesta quinta-feira