Giro do Vale / Destaque / Geral / Lajeado

Ministério Público pede a interdição de frigoríficos de Lajeado

Pedido é pela paralisação das atividades nessas indústrias pelo período de 15 dias. Justiça deve se pronunciar em até 24 horas

Foto: Divulgação

O Ministério Público Estadual realizou coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira, dia 4, onde o promotor de justiça Sérgio Diefenbach falou sobre o pedido para que haja a interdição de frigoríficos de Lajeado pelo período de 15 dias. Ele confirmou que as duas sanções já foram ajuizadas, e tem como objetivo diminuir a proliferação do coronavírus, sendo que.

Nos decretos correntes dos governos estadual e municipal, as empresas frigorificas estão autorizadas a continuarem com suas atividades – mediante restrições, como uso de máscaras e higienização com álcool gel. As ações, protocoladas na noite de domingo, dia 3, pelo MP, serão analisadas e julgadas pelos juízes da vara cível Carmen Luísa Constante Barghouti e Marcelo da Silva Carvalho, que responderão pelos casos da BRF e Minuano, respectivamente. A resposta dos magistrados costuma levar cerca de 24 horas para ser anunciada.

Autor das ações, Diefenbach assume que haverá impactos, mas que se trata de uma tentativa de reduzir a disseminação da covid-19. “Nós temos que buscar a lógica, a coerência e a legislação nas ações que a gente toma, não é objetivo nosso estabelecer nenhum recurso judiciário nesse momento e, embora não seja algo que gostamos, precisamos tomar essa medida. Nosso objetivo não é aumentar o caos, pelo contrário, é priorizar vidas”, frisou. O promotor, ainda, reiterou que os frigoríficos estão higienizados e seguindo as orientações, mas que a intervenção se dá devido a aglomeração das milhares de pessoas, que trabalham nas empresas. “Não há nenhum impedimento no dialogo e consideração das duas empresas, pois se surgir alguma medida alternativa, estaremos dispostos a ouvir. Agora, os juízes vão avaliar as ações e resta aguardar”, concluiu.

Durante a coletiva de imprensa, o promotor Neidemar Fachinetto também justificou às ações do MP, baseando-se nos dados oficiais do Governo do Rio Grande do Sul, que apontou Lajeado com bandeira vermelha. “Os balanços apontam que a proliferação do vírus pode aumentar nos próximos 15 dias, então a gente deveria tomar alguma atitude. A sobrecarga do sistema de saúde, considera a situação descontrolada. Se os critérios não considerassem o posicionamento geográfico da macrorregião, Lajeado deveria estar com bandeira preta. Nossa preocupação é com a vida, e a precaução é o que sustenta a nossa ação”, considerou.

O Ministério Público também esclareceu que, caso as ações sejam aprovadas, a retomada do trabalha seguirá diversos critérios, dentre elas a realização de rigorosos testes nos funcionários da empresa. Em tempo, nesta segunda-feira, entrou em vigor o decreto da Prefeitura Municipal que suspende as atividades do comércio considerado não-essencial.

O Informativo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

São 3,5 milhões nascidos em novembro com direito ao depósito da 1ª à 5ª parcela de R$ 600 e da extra de R$ 300, além do grupo do Bolsa Família

Frente fria empurra massa de ar frio que deve provocar queda na temperatura no Estado

Com mudança de ponto facultativo, unidades não abrem na sexta-feira

Serão beneficiados 3,6 milhões nascidos em outubro, além do grupo do Bolsa Família, com final 8 do NIS, que recebe a parcela extra de R$ 300