Giro do Vale / Destaque / Economia

Indústria do RS despenca mais de 20% pelo segundo mês consecutivo

A fabricação de veículos, reboques e carrocerias caiu de um patamar de 100 pontos em fevereiro para 19 pontos em abril.

Foto: Divulgação

De novo, o dado negativo era esperado, mas não deixa de assustar. A produção da indústria do Rio Grande do Sul caiu 21% em abril sobre março, mês em que já tinha registrado um recuo de 20,1%. Com a chegada do coronavírus no Brasil, muitas atividades econômicas foram suspensas, incluindo a produção em diversos segmentos industriais. E, mesmo as que começaram a retomar a produção em abril e até nos meses seguintes, ainda o fazem de forma lenta e gradual. 

Já se projetava essa queda forte, considerando que o tombo histórico de 18,8% na média nacional, divulgada ainda na semana passada, foi puxado pelo segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias. Essas fábricas têm grande representatividade na matriz produtiva do Rio Grande do Sul. Aliás, de São Paulo também, que é o principal parque industrial do país e teve queda de 23,2% em abril, destacado pelo IBGE como o pior resultado da série histórica da pesquisa, iniciada em 2002. 

Para se ter uma ideia, a produção de veículos, reboques e carrocerias estava em um patamar de 100,6 pontos em fevereiro. Passou para 85,9 em março, e despencou para 19,1 pontos em abril. O setor de metalurgia também tem um desempenho bastante negativo no período. No Rio Grande do Sul, o IBGE monitora o desempenho de 232 produtos. Novamente, houve queda forte na produção de bebidas e móveis também. 

Em relação a maio de 2019, a queda do indicador geral foi ainda mais intensa no Rio Grande do Sul. O recuo chegou a 35,8%, o terceiro desempenho mais negativo do país na pesquisa do IBGE. Fica atrás apenas do Amazonas e do Ceará, Estados que estão sofrendo muito com o avanço da covid-19 e seguem com medidas mais restritivas.  

Outros comparativos

No acumulado de janeiro a abril de 2020, a produção da indústria do Rio Grande do Sul está 13,5% menor do que no mesmo período do ano passado. Já no acumulado de 12 meses, o recuo é de 3,6%. 

E agora?

Aos poucos, as fábricas estão retomando a produção. Claro que a cautela impera, pois a demanda segue muito retraída, com queda nos pedidos e até cancelamentos, sem contar a alta da inadimplência por parte dos clientes. Ainda precisamos de notícias melhores sobre a contenção da pandemia no Brasil, por mais que venham informações positivas de China e Estados Unidos. 

Apesar desse receio, na próxima semana tem, por exemplo, o início da retomada da produção na General Motors (GM) em Gravataí. É uma empresa que, além de servir de termômetro, mexe efetivamente com uma cadeia grande de indústrias e serviços no Rio Grande do Sul. Só no complexo gaúcho, são mais de 5 mil empregos. Nesta semana, estão sendo definidos os protocolos de higiene e segurança dos funcionários, confirmou para a coluna o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Gravataí, Valcir Ascari. 

Fabricantes de autopeças começam também a retomar a produção na região metropolitana de Porto Alegre. Mas de forma muito lenta, avisam os sindicatos de metalúrgicos. O número de funcionários é bastante reduzido, assim como os turnos de trabalho. Exemplos disso são Gerdau e GKN, que têm fábricas em Porto Alegre e Charqueadas e fornecem aço e peças para o setor automotivo.  

Ainda no balanço financeiro da Fras-le, que faz parte da Randon e assim a coluna sobe a Serra para uma análise, havia um espaço especial destinado a expectativas, que começou falando que o cenário é inédito para a companhia que iniciou as atividades na década de 50. O texto cita que projetar os próximos trimestres é “extremamente desafiador”, mas complementa que alguns sinais “confortam que as quedas serão reduzidas nos próximos trimestres”.   

Segundo o comunicado, a operação da Fras-le na China já opera de forma regular. Por outro lado, a unidade da Índia retomou parte da produção apenas em maio após 40 dias fechada. E em Caxias do Sul? A empresa diz que as vendas ainda indicam retração, mas a carteira de pedidos já começa a esboçar reação. A sinalização, segundo a companhia, é de que a retomada pode ser mais rápida.

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

São 3,5 milhões nascidos em novembro com direito ao depósito da 1ª à 5ª parcela de R$ 600 e da extra de R$ 300, além do grupo do Bolsa Família

Frente fria empurra massa de ar frio que deve provocar queda na temperatura no Estado

Com mudança de ponto facultativo, unidades não abrem na sexta-feira

Serão beneficiados 3,6 milhões nascidos em outubro, além do grupo do Bolsa Família, com final 8 do NIS, que recebe a parcela extra de R$ 300