Giro do Vale / Política

Câmara mantém veto de aumento para servidores até o fim de 2021

Manutenção foi aprovada por 316 deputados federais e 165 contrários, além de 2 abstenções

Foto: Divulgação

O plenário da Câmara dos Deputados manteve, em sessão nesta quinta-feira, o veto feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à possibilidade de reajuste dos servidores públicos até o fim de 2021.

A manutenção do veto foi aprovada por 316 deputados federais e 165 contrários, além de 2 abstenções. O texto, contudo, não teve o mesmo placar no Senado Federal, onde foi apreciado na última quarta-feira. Na ocasião, os senadores derrubaram o veto, por 42 votos a 30, em uma derrota para o governo. A decisão que permanece, portanto, é a de proibição de reajuste salarial do funcionalismo até o ano que vem.

O trecho vetado, que inclui categorias como médicos e policiais, foi uma demanda de Bolsonaro em troca do socorro financeiro aos Estados e municípios de R$ 125 bilhões aos entes federativos em razão da Covid-19. A suspensão do aumento de vencimentos foi uma sugestão do ministro da Economia, Paulo Guedes.

A derrubada do veto pelos senadores gerou críticas do Executivo e Legislativo e surpreendeu a equipe econômica. Bolsonaro disse que seria “impossível governar o Brasil” caso a Câmara dos Deputados não revertesse a decisão do Senado. 

“Ontem o Senado derrubou um veto que vai dar prejuízo de R$ 120 bilhões para o Brasil. Então eu não posso governar um país. Se esse veto [não] for mantido na Câmara, é impossível governar o Brasil, impossível. É responsabilidade de todo mundo ajudar o Brasil a sair do buraco”, disse o presidente.

Horas depois, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse que diverge da opinião dos senadores, mas que tem respeito pela decisão tomada por eles. O deputado contou, ainda, que trabalhara para a manutenção do veto, uma vez que pode inviabilizar outros projetos que estão em tramitação no Congresso Nacional e também dependem de recursos.

“Nós entendemos que esse veto é importante, a manutenção do veto, para dar sinalização clara que nós queremos, claro, atender Estados municípios e sociedade, mas dentro do equilíbrio fiscal”, afirmou Maia.

Guedes também criticou o Senado Federal. “Pegar dinheiro da saúde e permitir que vire aumento de salário do funcionalismo é um crime contra o país”, disse o titular da Economia. O Ministério de Guedes calcula que a derrubada compromete uma economia fiscal entre R$ 121 bilhões e R$ 132 bilhões, que poderiam ser poupados em 12 meses, dos quais R$ 31 bilhões só para a União.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

São 3,5 milhões nascidos em novembro com direito ao depósito da 1ª à 5ª parcela de R$ 600 e da extra de R$ 300, além do grupo do Bolsa Família

Frente fria empurra massa de ar frio que deve provocar queda na temperatura no Estado

Com mudança de ponto facultativo, unidades não abrem na sexta-feira

Serão beneficiados 3,6 milhões nascidos em outubro, além do grupo do Bolsa Família, com final 8 do NIS, que recebe a parcela extra de R$ 300