Giro do Vale / Saúde

Brasil deve importar 2 milhões de doses da vacina de Oxford produzidas na Índia

Laboratório responsável por produzir o imunizante para o Brasil havia afirmado que governo indiano não permitiria a exportação, mas voltou atrás

Foto: Divulgação

O Ministério das Relações Exteriores afirmou nesta terça-feira, dia 5, que está confirmada a importação pelo Brasil de 2 milhões de doses da vacina contra covid desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com Universidade de Oxford, principal aposta do governo para imunização dos brasileiros, que terá o primeiro lote fabricado em solo indiano. A informação foi confirmada pelo Itamaraty em resposta a questionamento da TV Globo.  

“Está confirmada a importação de 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford produzidas na Índia, com data provável de entrega a partir de meados do corrente mês de janeiro”, informou o ministério em nota.

A confirmação ocorre após o CEO do laboratório Serum Institute, que produz a vacina da AstraZeneca, afirmar, no último domingo, dia 3, que não haveria permissão do governo local para a exportação dos imunizantes.  

Mais cedo, os laboratórios Serum Institute e Bharat Biotech, da Índia, emitiram nota conjunta assegurando o fornecimento global de vacinas contra a covid-19 produzidas no país.  

A importação de 2 milhões de doses prontas da AstraZeneca foi autorizada em 31 de dezembro pela Anvisa. As primeiras 2 milhões de doses, para dar início à vacinação o mais breve possível no país, devem ser importadas da Índia. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deve produzir a vacina a partir de 20 de janeiro. A previsão é de entrega de 1 milhão de doses por semana até chegar a 3,5 milhões a cada sete dias. O primeiro lote da Fiocruz tem previsão de entrega em 8 de fevereiro.

Pedido da Anvisa

Nesta segunda-feira, dia 4, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pediu à Fiocruz garantias de que vacina de Oxford importada da Índia será a mesma do Reino Unido. Segundo nota da agência, após reunião com a fundação, “para a autorização (de uso emergencial), a Agência precisa avaliar os estudos de comparabilidade entre a vacina do estudo clínico, que é fabricada no Reino Unido, com a vacina fabricada na Índia, bem como os dados de qualidade e condições de boas práticas de fabricação e controle. Ou seja, é necessário entender se o produto do fabricante indiano é semelhante ao fabricado no Reino Unido e que teve os dados clínicos aprovados”. 

A importação de 2 milhões de doses prontas da AstraZeneca foi autorizada em 31 de dezembro pela Anvisa.

Também nesta segunda-feira, a Fiocruz disse que deveria entrar com o pedido de uso emergencial até esta terça-feira. A afirmação, porém, veio antes da reunião com a Anvisa.

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Presos foram encaminhados para a Polícia Federal de Santa Cruz do Sul, entre eles, três argentinos

Idosa de 71 anos teve a clavícula quebrada, e precisou passar por cirurgia

Maioria das cidades gaúchas deve registrar mínimas abaixo de 10ºC

Tricolor faz 5 a 1 na Arena e segue confortável no G-4 da competição