Giro do Vale / Política

Gabriel Souza toma posse como presidente da Assembleia Legislativa

Sessão solene de eleição e posse, ocorreu na manhã desta quarta-feira

Foto: Marcelo Bertani / ALRS

Em sessão solene na manhã desta quarta-feira, dia 3, o deputado Gabriel Souza (MDB) foi eleito e empossado como presidente da Assembleia Legislativa. Parlamentares, autoridades, amigos e familiares acompanharam a cerimônia realizada em formato híbrido, com a presença de convidados no Plenário 20 de Setembro, no Teatro Dante Barone e em ambiente virtual.

Além de Gabriel Souza, foram eleitos para a Mesa Diretora os deputados Kelly Moraes (PTB), como 1ª vice-presidente; Luiz Marenco (PDT), 2º vice-presidente; Valdeci Oliveira (PT), 1º secretário; Ernani Polo (PP), 2º secretário; Franciane Bayer (PSB), 3ª secretária; e Zilá Breitenbach (PSDB), 4ª secretária. Os suplentes de secretário serão os deputados Patricia Alba (MDB), Airton Lima (PL), Sergio Peres (Republicanos) e Jeferson Fernandes (PT).

Solenidade
A sessão foi aberta pelo então presidente da Casa, deputado Ernani Polo (PP), que, após a execução do Hino Nacional pelos músicos Carlos D’Lucka e Anderson de Oliveira, proferiu seu discurso de despedida. Polo refletiu sobre a necessidade de cooperação, solidariedade e união e o tema que marcou a sua gestão, a competitividade. “Se continuarmos tocando a bola para o lado, não faremos gol”, ilustrou. “Se só acentuarmos as divergências, não chegaremos às convergências”. 

Ele salientou o pioneirismo dos setores agro e industrial, que, “obrigados a competir com o mundo, aprenderam a superar seus próprios limites”, vencendo travas culturais, acelerando a tecnologia muito antes da pandemia, internalizando conhecimento e aprimorando a sua gestão. “São modelos de rentabilidade, de sustentabilidade e de modernidade”, afirmou. Muitas outras áreas, segundo Polo, fizeram o mesmo. Já os governos, segundo ele, vieram depois, mas já perceberam a necessidade de modernização, desburocratização e medidas como concessões, privatizações e parcerias público-privadas. 

Sobre o futuro presidente, disse que era “um político preparado, jovem, promissor, um quadro qualificadíssimo para presidir a Casa” e desejou-lhe sucesso e boa sorte.

Encerrado seu pronunciamento, o 2º secretário, deputado Dirceu Franciscon (PTB), leu a composição da chapa única para a Mesa Diretora 2021, eleita a seguir com 51 votos favoráveis e um contrário (da deputada Luciana Genro, do PSol). Seus integrantes ficarão à frente do Parlamento gaúcho até 31 de janeiro de 2022.

Embora pelo Regimento Interno da Assembleia a Mesa Diretora seja eleita para um período de dois anos, acordo pluripartidário prevê o revezamento do comando da Casa entre as quatro maiores bancadas ao longo da Legislatura (ao qual a deputada Luciana se opõe), uma a cada ano, o que se dá por meio da renúncia da Mesa ao fim do primeiro ano do biênio.

Pronunciamento
Em seu primeiro pronunciamento como chefe do Poder Legislativo, Gabriel Souza frisou o papel do parlamento como representante da população. “Não em sentido formal, técnico, normativo – e nem mesmo estritamente constitucional”, disse. “Falo em seu sentido popular, como pertencimento, delegação e verdadeira materialização da vontade social”.

Para o parlamentar, apesar da crise de representação que se vive hoje, o povo deseja e precisa ser representado, porém “de verdade” e não como no tempo “das instituições encasteladas, dos políticos isolados, das redomas corporativas, das ideologias cegas ou das burocracias mofadas”.

O novo presidente prometeu uma Assembleia Legislativa mais dinâmica, participativa, digital e atenta às mudanças sociais. Disse que abrirá novos meios de comunicação e participação da comunidade, por meio de suas plataformas online, e ficará mais vigilante nas discussões que interessam à sociedade. 

Dirigindo-se aos presidentes que o antecederam, Ernani Polo (PP) e Luís Augusto Lara (PTB), e ao que o sucederá, Valdeci Oliveira (PT), ressaltou os acertos da gestão compartilhada e assegurou que daria continuidade aos trabalhos na área da competitividade, assim como ao Cresce RS e a iniciativas para o desenvolvimento econômico e social. 

Ao governador Eduardo Leite, explicou que sua proposta não se resumia a “uma dinâmica de digitalização ou à criação de um app” e afirmou ser preciso repensar o modo de ver o Estado. Disse que o atual governo, ao manter a lógica de responsabilidade fiscal adotada pelo governo Sartori, do qual foi Líder na Casa, abria caminho para uma revisão ainda mais profunda do modelo de Estado. “E a pandemia, sem dúvida, nos ajudou a enxergar isso de maneira ainda mais clara”, declarou.

Agência de Notícias ALRS

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Prisão ocorreu instantes depois de terem feito uma idosa de 80 anos de vítima

Ambos possuem extensa ficha criminal por furtos em veículos

Colorado entra em campo às 19h15min, no estádio Hernando Siles