Giro do Vale / Política

Assembleia aprova projeto que torna ensino atividade essencial no RS

Emenda que determinaria plano estadual para retorno presencial de estudantes foi derrotada

Foto: Joel Vargas | Agência ALRS

Por 51 votos a zero, os deputados gaúchos aprovaram projeto que reconhece o ensino das redes pública e privada como atividade essencial no Estado. O resultado representou vitória do Piratini, que conseguiu frear uma emenda que previa manter escolas abertas mesmo sob regras de bandeira preta.

O texto aprovado define a essencialidade das atividades destinadas à educação infantil, ao ensino fundamental e ao apoio pedagógico aos estudantes. No entanto, sem o ponto mais polêmico das discussões (a manutenção das aulas presenciais), a definição aceita pelos parlamentares não traz impacto significativo na atuação do Executivo estadual na área da educação.

“Nós aprimoramos o texto, incluindo o ensino como essencial, mas seguindo as orientações técnicas e científicas sobre a pandemia. O texto anterior falava em obrigatoriedade das escolas abertas com pandemia ou catástrofe”, relatou o líder do governo na Casa, Frederico Antunes (PP).

A classificação de atividade essencial abarca a educação infantil, o ensino fundamental e o apoio pedagógico aos estudantes.

O projeto original, da deputada Fran Somensi (Republicanos), era voltado apenas à atividade física. No entanto, deputados do Partido Novo protocolaram uma emenda referente às escolas abertas, tendo mais destaque do que a proposta inicial. Com a repercussão, o governo orientou a base para apresentar um texto com regras menos duras.

Apesar de ter votado a favor do texto defendido pelo Executivo, o deputado Fábio Ostermann (Novo) lamentou que sua emenda tenha perdido a preferência, sendo rejeitada mesmo sem ser votada. 

“Lamento que tenhamos aprovado (versão sem definir aulas presenciais), mas quero acreditar que o governo vá tomar providências para retomar as aulas em breve”, salientou.

Atualmente, as aulas presenciais estão proibidas em todo o Estado. No final de fevereiro, o Piratini liberou a reabertura de instituições de ensino para estudantes da educação infantil e do 1º e 2º anos do ensino fundamental, devido à dificuldade de alfabetizar crianças de forma online. No entanto, em 1º de março, a juíza Rada Maria Metzger Kepes Zaman, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, suspendeu a decisão.

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Eventos estavam ocorrendo em desacordo com a legislação vigente no enfrentamento ao Covid-19

Não houve ninguém ferido, e o trânsito não chegou a ficar prejudicado no local

Saída de pista foi registrada na manhã deste sábado, dia 15, no Km 366 da rodovia

Corridas terão transmissão ao vivo pelo canal Turismo Nacional no Youtube