Giro do Vale / Destaque / Educação

Justiça mantém aulas presenciais suspensas no Estado

Decisão vale enquanto perdurar a classificação de bandeira preta no modelo de Distanciamento Controlado

Salas de aula estavam vazias nesta manhã em duas escolas da rede estadual de ensino. (Foto: Juliano Beppler da Silva / Giro do Vale)

A volta às aulas presencias segue suspensa no Rio Grande do Sul. A decisão ocorreu após sessão virtual, realizada na noite desta segunda-feira, com os desembargadores da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça. Em votação unânime, o colegiado não acolheu a tese do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) e negou o recurso apresentado pelo governo do Estado pela retomada das atividades.

Com isso, as aulas presenciais seguem suspensas enquanto perdurar a classificação de bandeira preta – risco altissímo para a Covid-19 – no Modelo de Distanciamento Controlado, assim como a cogestão das atividades relacionadas à educação, que permitiriam a adoção dos protocolos sanitários da bandeira vermelha.

O julgamento foi necessário após um decreto do governador Eduardo Leite, publicado na última quinta-feira, em que ficava autorizada a volta das atividades de educação em regiões com a bandeira preta, mas que adotaram o sistema da cogestão. No entanto, a 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, no domingo, manteve como válida uma decisão liminar prévia que paralisava as atividades presenciais onde o risco para a Covid-19 estive classificado como altíssimo, apesar das flexibilizações anunciadas pelo governo. 

O impasse fez com que o desembargador Antonio Vinicius Amaro da Silveira retirasse da “pauta virtual” e antecipasse o julgamento telepresencial do tema para a tarde desta segunda-feira. Após quase 3h de julgamento, o veredito foi pela manutenção da suspensão. 

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Armados, os criminosos levaram cerca de R$ 300 do local

Acidente ocorreu sobre a ponte do Arroio Estrela, nas proximidades das Rações Languiru

Reajuste no valor dos benefícios é menor que o do salário mínimo, que aumentou 10,18% em 2022

Segundo relatório da IFI, a despesa prevista com o Auxílio Brasil é praticamente igual ao gasto dos programas sociais de 2021