Giro do Vale / Saúde

Municípios paralisam vacinação pois faltam 263 mil doses de CoronaVac para aplicação da segunda dose no RS

Cálculo foi feito pela Secretaria Estadual de Saúde após municípios anunciarem a paralisação da imunização

Foto: Divulgação

A falta de imunizantes CoronaVac/Butantan no Rio Grande do Sul, especificamente para a segunda aplicação, é estimada nesta segunda-feira, dia 26, em 263,8 mil doses. O cálculo foi feito pela Secretaria Estadual da Saúde (SES), após diversos municípios gaúchos começarem a anunciar a paralisação da aplicação da segunda dose por falta de imunizantes.

Conforme a SES, “faltam 40.470 doses para concluir o esquema vacinal de idosos que receberam doses da remessa distribuída no dia 20 de março” e outras “223.400 doses para as segundas doses da remessa distribuída no dia 26 de março”.

O uso da maioria das vacinas para aplicação da primeira dose, sem reserva de imunizantes para aplicação da segunda dose, é uma decisão tomada pelo Estado do Rio Grande do Sul em parceria com os Conselho das Secretarias da Saúde dos municípios gaúchos. A prática vem sendo adotada pelo governo do Estado desde a segunda remessa de vacinas.

No mês passado, esta passou a ser, também, a orientação nacional, emitida pelo Ministério da Saúde. Em 21 de março o governo federal orientou todo o país a priorizar a aplicação da primeira dose.

Por meio de nota, a SES afirma que Estado e municípios gaúchos “optaram por imunizar o maior número possível de pessoas, priorizando as primeiras doses e planejando a segunda dose em um intervalo de 28 dias, para uma melhor resposta imunológica”. A pasta acrescenta que “o resultado dessa estratégia foi uma maior agilidade na aplicação da vacina na população gaúcha, o que mantém o RS no topo do ranking dos Estados que mais vacinam, proporcionalmente, no país”.

Veja a íntegra da nota da SES

Falta de D2 no RS

No Rio Grande do Sul, faltam 40.470 doses para concluir o esquema vacinal de idosos que receberam doses da remessa distribuída no dia 20 de março. O intervalo preconizado, de 28 dias, deve ser contabilizado a partir do dia da aplicação da vacina, que ocorre de acordo com organização própria dos municípios. A data de 20 de março corresponde à distribuição das doses às 18 coordenadorias regionais de saúde. Nos dias seguintes, já nos municípios, as vacinas começam a ser aplicadas. Também haverá necessidade de 223.400 doses para as segundas doses da remessa distribuída no dia 26 de março.

Desde a segunda remessa da campanha de imunização da Covid-19, a Secretaria da Saúde (SES) e o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do RS, em pactuações realizadas de forma sistemática após o recebimento das doses, optaram por imunizar o maior número possível de pessoas, priorizando as primeiras doses e planejando a segunda dose em um intervalo de 28 dias, para uma melhor resposta imunológica. O Ministério da Saúde recomendou a aplicação das vacinas integralmente para primeira dose somente a partir da 9ª remessa.

O resultado dessa estratégia da SES foi uma maior agilidade na aplicação da vacina na população gaúcha, o que mantém o RS no topo do ranking dos Estados que mais vacinam, proporcionalmente, no país.

Em função do atraso na entrega de insumos vindos da China ao Instituto Butantan, o Ministério da Saúde não está mais recebendo os quantitativos esperados de vacinas. Ainda não há previsão, por parte do MS, de envio de nova remessa de doses ao RS.

Segundo o Programa Nacional de Imunizações, caso ocorram atrasos, o esquema vacinal deverá ser completado com a administração da segunda dose o mais rápido possível.

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Eventos estavam ocorrendo em desacordo com a legislação vigente no enfrentamento ao Covid-19

Não houve ninguém ferido, e o trânsito não chegou a ficar prejudicado no local

Saída de pista foi registrada na manhã deste sábado, dia 15, no Km 366 da rodovia

Corridas terão transmissão ao vivo pelo canal Turismo Nacional no Youtube