Giro do Vale / Polícia

Segundo a polícia, criminosos levaram cerca de R$ 125 milhões em assalto a banco de Criciúma no final de 2020

Cerca de cinco meses após o assalto, a investigação segue em andamento e 13 pessoas já estão presas

Foto Divulgação

A Polícia Civil de Santa Catarina confirmou, na tarde desta quinta-feira, dia 29, que cerca de R$ 125 milhões foram levados pelo grupo criminoso responsável pelo assalto a banco em Criciúma, no final do ano passado. O roubo ocorreu em 30 de novembro, em uma agência do Banco do Brasil, e foi definido como o maior roubo da história daquele Estado. Na ação, que durou cerca de duas horas, cerca de 30 criminosos sitiaram o município, deixando moradores aterrorizados.  Um policial militar chegou a ser baleado durante ação.

A informação foi confirmada pelo delegado Anselmo Cruz, da Delegacia de Roubos e Antissequestro. Segundo ele, cerca de R$ 1 milhão foi recuperado, em notas que ficaram espalhadas pelo chão no dia do ataque e valores que foram encontrados durante as prisões realizadas. Outros R$ 125 milhões, no entanto, foram levados pelos criminosos.

Antes, a polícia havia divulgado que R$ 80 milhões haviam sido levados pelo grupo, mas uma apuração mais detalhada feita pelo banco chegou ao valor mais alto.

“Foram necessárias diversas operações pelo banco para conseguir apurar o montante total roubado. Houve ainda valores recuperados em via pública, espalhados no interior do prédio, e notas que foram pegas por pessoas nas imediações, e que foram identificadas pela polícia depois. Também houve a necessidade de análise de milhares de notas danificadas durante o arrombamento”, disse o delegado.

Cerca de cinco meses após o assalto, a investigação segue em andamento. A polícia pediu a prisão de 16 pessoas: dessas, 13 estão presas e três estão foragidas.

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Armados, os criminosos levaram cerca de R$ 300 do local

Acidente ocorreu sobre a ponte do Arroio Estrela, nas proximidades das Rações Languiru

Reajuste no valor dos benefícios é menor que o do salário mínimo, que aumentou 10,18% em 2022

Segundo relatório da IFI, a despesa prevista com o Auxílio Brasil é praticamente igual ao gasto dos programas sociais de 2021