Giro do Vale / Destaque / Saúde

Internações por Covid-19 reduzem 33,8% no RS, em um período de 15 dias

Este é o menor patamar desde 10 de fevereiro, quando havia 802 pessoas em estado grave no Estado

Foto: Divulgação / Hospital de Clínicas

Com 820 pacientes com diagnóstico confirmado para o novo coronavírus, as internações em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) registravam no início da noite desta sexta-feira, dia 30, o menor patamar desde 10 de fevereiro, quando havia 802 pessoas em estado grave no Rio Grande do Sul. Em relação a 15 dias atrás, quando a Secretaria Estadual da Saúde (SES) contabilizou 1.240 casos graves relacionados à doença, a redução é de 33,87%, ou seja, 420 casos a menos. 

Com um total de 2.184 internações envolvendo todas as doenças, a taxa de ocupação de leitos UTI era de 64,4% – com 1.206 leitos livres. Na Capital, as internações nos hospitais também apresentaram queda em relação ao dia anterior, com 670 pacientes em estado grave e taxa de ocupação geral de 76,4%. Na véspera, eram 692. Os casos confirmados e suspeitos para o novo coronavírus totalizaram 182, ou seja, 7 a menos do que no dia anterior. 

Pelo menos cinco pessoas com diagnóstico confirmado para a doença aguardavam em emergências por leitos de UTI. Apenas o Hospital Ernesto Dornelles operava acima da capacidade, com 120% de ocupação. Três instituições tinham ocupação superior ou igual a 90%: Nossa Senhora da Conceição (97,01%), Moinhos de Vento (93,42%) e Pronto Socorro de Porto Alegre (90%). 

O Estado registrou hoje mais 44 mortes por conta da Covid19-, elevando o total para 33.289. Conforme a SES, foram confirmados mais 1.827 casos positivos para a Covid-19, totalizando 1.363.467 desde o início da pandemia.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Armados, os criminosos levaram cerca de R$ 300 do local

Acidente ocorreu sobre a ponte do Arroio Estrela, nas proximidades das Rações Languiru

Reajuste no valor dos benefícios é menor que o do salário mínimo, que aumentou 10,18% em 2022

Segundo relatório da IFI, a despesa prevista com o Auxílio Brasil é praticamente igual ao gasto dos programas sociais de 2021