Giro do Vale / Geral

Presa a mulher que jogou bebê pela janela de ônibus em Panambi

Polícia Civil cumpriu mandado de prisão preventiva, na cidade de Dezesseis de Novembro, nesta quinta-feira

Foto: Divulgação / Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu preventivamente, nesta quinta-feira, dia 2, a mulher suspeita de ter arremessado uma recém-nascida da janela de um ônibus de linha intermunicipal na madrugada dessa quarta-feira, dia 1º, em Panambi, no Noroeste do Estado. A jovem, de 20 anos, foi localizada pela Brigada Militar ainda na quarta, na cidade de Dezesseis de Novembro, a quase 200 quilômetros de distância. 

Segundo o delegado Gustavo Fleury, após a identificação da suspeita e localização de onde morava, ela foi levada para ser interrogada ainda na noite de ontem.“Ela admitiu ter jogado a criança da janela do ônibus em Panambi. Admitiu também que entrou em trabalho de parto durante o trajeto feito pelo ônibus e que escondeu a gravidez dos seus parentes. E este seria um dos motivos pelos quais, além do fato dela nos ter relatado que não sabe quem é o pai da criança, ela teria jogado o bebê pela janela do ônibus”, declarou o delegado. 

Câmeras de vigilância da cidade de Dezesseis de Novembro, flagraram o momento que a jovem desceu do ônibus e foi a um estabelecimento comercial para comprar absorventes, aparentando ter manchas de sangue em suas roupas. No mesmo local, ela teria lavado as mãos na tentativa de se limpar. 

Por não configurar situação de lavratura de auto de prisão em flagrante ela foi liberada após falar com os policiais. Já nesta quinta-feira, a Polícia Civil angariou outras informações que embasaram representação pela busca e apreensão e prisão preventiva da suspeita. No momento da prisão, foram apreendidos telefone celular e as roupas que ela teria usado durante o parto, que ocorreu dentro do banheiro do veículo. 

O delegado informou que a investigação sobre o caso deve seguir nos próximos dias. “Estamos trabalhando, neste momento, inquirindo mais algumas pessoas na cidade. Vamos apurar se houve a participação ou não de mais alguma pessoa neste crime de tamanha repercussão no nosso Estado”, afirmou.

A Polícia Civil de Panambi contou com apoio de outras delegacias de polícia, em especial da regional de São Luiz Gonzaga, e com a Brigada Militar do 39° BPM e do 14° BPM.

Acolhimento institucional 

A pedido do Ministério Público do Rio Grande do Sul, por meio da Promotoria de Justiça de Panambi, a Justiça deferiu liminares que garantem, entre outras ações, o acolhimento institucional da recém-nascida. O promotor de Justiça da Infância e Juventude de Panambi, Daniel Mattioni, que ajuizou a ação protetiva, foi notificado pelo Conselho Tutelar tão logo a menina foi encontrada. Segundo ele, neste momento, a função do MPRS é primeiramente protetiva.

“Precisamos garantir os direitos fundamentais dessa criança. Por conta disso e contando já com o bom trabalho da Polícia Civil, da Brigada Militar, das equipes de saúde e do Conselho Tutelar, o Ministério Público ajuizou uma ação protetiva em favor da criança junto ao Juizado da Infância da Comarca”, destacou.

A ação visa o registro civil, o acolhimento institucional, após a alta hospitalar, e o anteparo da colocação familiar da criança posteriormente. O promotor também ressaltou que o trabalho do MPRS na proteção à criança não cessa com o deferimento das liminares.

Ele alertou ainda que, além do acompanhamento das investigações, é necessário garantir os demais direitos dessa criança, inclusive a incolumidade física e psicológica, tendo em vista os relatos de que fotografias já estão circulando em veículos de imprensa, o que fere o Estatuto da Criança e do Adolescente. Mattioni orienta que essas imagens sejam removidas.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Neste período, apenas a cidade de Novo Tiradentes não registrou mortes por conta da doença

O suspeito tem 29 anos e estava com mandado de prisão preventiva expedido

Temperaturas ficam agradáveis ao longo de todo o dia

Produtos estavam armazenados de forma irregular e fora da temperatura adequada, com prazos de validade vencidos ou sem prazos de validade, sem identificação e procedência, além de higiene precária