Giro do Vale / Destaque / Saúde

OMS recomenda dose de reforço da Coronavac a pessoas com 60 anos ou mais

Especialistas reforçaram a aplicação da terceira dose de qualquer vacina em indivíduos com imunidade comprometida

Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

Um grupo de especialistas que assessora a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou nesta segunda-feira a aplicação de uma dose de reforço contra a Covid-19 em idosos completamente imunizados com a Coronavac e em pessoas com imunidade comprometida que tomaram qualquer vacina.

“Ao implementar esta recomendação, os países devem inicialmente ter como objetivo maximizar a cobertura de 2 doses nessas populações e, posteriormente, administrar a terceira dose, começando nos grupos de idade mais avançada”, diz um comunicado do Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas da OMS (Sage, na sigla em inglês).

Segundo os profissionais, é preferível que pessoas com 60 anos ou mais que receberam duas doses da Coronavac tomem a terceira dose do próprio imunizante. No entanto, os especialistas ponderam que, ao se levar em conta a disponibilidade das vacinas, o uso na dose de reforço de um imunizante diferente do aplicado nas duas primeiras doses pode ser considerado.

O Sage também recomendou a aplicação da terceira dose de qualquer vacina em indivíduos com imunidade comprometida. Esse grupo populacional, segundo a OMS, tem uma resposta imune mais baixa aos imunizantes e, portanto, corre mais riscos ao contrair o coronavírus. Além da Coronavac, que é produzida no Brasil pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, a recomendação também vale para imunizantes fabricados pela Sinopharm.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Homem que foi flagrado conduzindo o veículo, acabou preso por receptação

Dia começa muito frio e com as menores marcas do ano até agora em vários municípios

Familiares anunciaram nas redes sociais que ele foi localizado e está bem

Mulher de 72 anos que faleceu no dia 5 de maio teve causa da morte confirmada pelo Estado