Giro do Vale / Bom Retiro do Sul / Destaque / Polícia

“Frio e psicopata”: assim delegado descreve o indivíduo preso pelo latrocínio ocorrido em março, em Bom Retiro do Sul

Criminoso contou em detalhes como praticou o crime, e relatou que voltou no dia seguinte e acompanhou a movimentação do trabalho da polícia

Delegado Juliano Stobbe. (Foto: Juliano Beppler / Giro do Vale)

Frio e psicopata. Assim o indivíduo de 19 anos preso na manhã desta sexta-feira, dia 19, pelo crime de latrocínio – roubo seguido de morte – foi descrito pelo delegado Juliano Stobbe, titular da Delegacia de Polícia de Bom Retiro do Sul, que coordenou as investigações do caso até chegar a prisão do acusado.

A prisão ocorreu em Fazenda Vilanova, onde o preso estava morando, e só foi possível graças ao empenho policial em solucionar o caso. Mais de 20 testemunhas foram ouvidas durante a montagem do inquérito policial porém não estavam levando a um desfecho, mas através de uma outra investigação, surgiram fatos que possibilitaram a Polícia Civil a chegar ao autor desse crime bárbaro que chocou a cidade em março deste ano.

Detalhes do crime

Em depoimento, o preso detalhou como ocorreu o crime. Ele afirmou que matou Verner Diedrich, 55 anos, mais conhecido como Nequinha, em função de uma dívida. “Com um ar de tranquilidade e frieza, ele contou que a vítima chegou a se ajoelhar na sua frente, juntando as mãos e pedindo perdão, momento em que ele desferiu três golpes de faca no pescoço do Verner, antes de pôr fogo na casa”. Depois, ele ainda fugiu com o carro de Diedrich, e incendiou o veículo próximo as margens da ERS-128 (Via Láctea), em Fazenda Vilanova, de onde foi a pé para sua casa.

Característica de psicopata

Também em depoimento, o preso confidenciou que no dia seguinte, estava escondido próximo ao local do crime, de onde ficou acompanhando a movimentação dos trabalhos da Polícia Civil e do Instituto Geral de Perícias, que faziam levantamentos para o prosseguimento das investigações. “Esse é um ato típico de um psicopata, que comete um crime bárbaro, e depois vai ver a atuação da polícia a respeito da ‘obra de arte’ dele”, relata o delegado.

Foto: Montagem – Lucas Meirelles / Giro do Vale – Polícia Civil Divulgação

Relembre o caso

Por volta das 0h10min do dia 19 de março de 2021, vizinhos perceberam o fogo na casa que fica às margens do Rio Taquari, na antiga Marina, na Cidade Baixa, próximo a prefeitura, e acionaram a Brigada Militar. O Corpo de Bombeiros também foi chamado, e realizou o combate às chamas e rescaldos na residência de alvenaria, com aproximadamente 80m².

No interior do imóvel foi localizado o corpo de Verner. Ele morava sozinho no local, e tinha uma chapeação de veículos em um prédio ao lado.

O carro do morador não estava na garagem, e durante o atendimento da ocorrência, a BM foi informada sobre um veículo que havia sido encontrado incendiado no meio de uma plantação de milho às margens da na ERS-128 (Via Láctea), em Fazenda Vilanova. Chegando ao local os policiais constataram que se tratava de um Polo Sedan, o carro da vítima.

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Quase todo o Estado terá predomínio de chuva

Acidente ocorreu nas proximidades da empresa Neugembauer

Além de perder o seu carro, vítima também perdeu R$ 1,5 mil

O fogo teria iniciado em uma fritadeira com óleo