Giro do Vale / Destaque / Polícia

Grupo criminoso vendia carne de cavalo para hamburguerias na Serra Gaúcha

Organização distribuía 800 quilos do produto por semana, e traços de peru e suínos foram encontrados na mistura

Fotos: Tiago Novo Coutinho / MPRS

Um grupo criminoso, suspeito de vender clandestinamente carne de cavalo como se fosse de gado para hamburguerias da Serra gaúcha, é alvo de uma operação deflagrada nesta quinta-feira, dia 18, pelo Ministério Público. A ação, chamada de Hipo, tem o objetivo de cumprir ainda hoje seis mandados de prisão preventiva, 15 de busca e apreensão referentes a oito alvos em Caxias do Sul. 

Conforme o Ministério Público, em conversas interceptadas com autorização da Justiça, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) descobriu que a organização teria comercializado grandes quantidades de carne provenientes do abate clandestino de equinos. Perícias foram feitas em duas lancherias de Caxias e identificaram o DNA de cavalos. Também eram misturadas carnes de peru e suíno. 

“Eram distribuídos em torno de 800 quilos semanais”, conta o coordenador do Gaeco – Seguranca Alimentar, promotor de Justiça Alcindo Luz Bastos da Silva Filho, que está à frente da operação e cumpre os mandados juntamente com o promotor da Especializada Criminal de Porto Alegre, Mauro Rockenbach.

Conforme o Ministério Público, o grupo não possui autorização para o abate e comercialização de nenhum tipo de carne. Assim, as atividades de abate, beneficiamento, armazenamento e comercialização vinham ocorrendo sem qualquer fiscalização, o que é essencial para prevenir que carnes sem inspeção de fiscais médicos veterinários sejam consumidas pelas pessoas.

Correio do Povo

Veja mais imagens

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Clique para ampliar

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Município já contabiliza em janeiro, cinco vezes mais casos do que o total de dezembro de 2021

Obras serão realizadas nos bairros Laranjeiras e São João

Carro que atropelou o rapaz, fugiu do local do acidente sem prestar socorro

Olinda Bolsonaro estava internada no Hospital São João, em Registro, no interior paulista