Giro do Vale / Destaque / Saúde

Nos primeiros sete dias do ano, casos confirmados de Covid-19 no RS, superam o total de dezembro

Apesar do crescimento dos diagnósticos positivos, as internações não apresentaram aumento expressivo

Foto: Divulgação

O número de casos diários do novo coronavírus voltou a disparar no Rio Grande do Sul, que nesta sexta-feira contabilizou mais 6.541 casos confirmados para a doença. Em apenas sete dias, o Estado contabilizou um total de 15.168 diagnósticos positivos para Covid-19, número superior a todo mês de dezembro, quando a Secretaria Estadual da Saúde (SES) registrou 11.730 casos. Com mais quatro óbitos, o RS totaliza 36.476 mortes em decorrência do vírus.

Apesar do crescimento de diagnósticos positivos para a doença no Estado, as internações em leitos clínicos e de terapia intensiva não apresentaram aumento expressivo nos últimos dias. Pelo menos nesse momento, o maior impacto tem sido nos serviços de urgência e emergência, que operam com capacidade máxima desde o início da semana. A epidemiologista Carina Guedes Ramos, do Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), explica que havia expectativa de aumento de casos com pacientes Covid-19, uma vez que a variante ômicron é mais transmissível.

Casos leves 

Mesmo diante de um cenário de elevação dos casos de Covid-19, Carina afirma que a maioria é de casos leves e que não demandam internações em leitos de enfermaria e de UTI. “Não impactou tanto nas internações em UTI, mas o que está acontecendo é que está impactando no sistema de saúde de outra forma, com bastante procura por atendimento, exames, com bastante pessoas infectadas que não podem trabalhar, como profissionais da saúde e de outros serviços”, destaca. Apesar da curva ascendente de diagnósticos de Covid-19, ela avalia que a cobertura vacinal pode evitar uma alta demanda por leitos de UTI.

Conforme dados do painel Coronavírus RS, 162 pacientes com diagnóstico de Covid-19 ocupavam hoje leitos de UTI, número menor do que há duas semanas, quando 168 pessoas estavam internadas em estado grave. “Em dezembro tivemos vários dias sem internações novas. A partir de 27 de dezembro houve aumento de internações por Covid-19 e Influenza”, compara. “Temos que ver como essa nova onda vai se comportar e se vai ser apenas de casos leves. Esperamos que não demande tanto de hospitalizações como foi em outros momentos da pandemia”, completa.

A epidemiologista atribui o alastramento do vírus nos últimos dias às festas de fim de ano e à falta de cuidados para evitar o contágio. “A população perdeu o medo da Covid-19. Houve bastante aglomeração e as pessoas extrapolaram nas festividades. Tenho visto pessoas indo para festas, com muita gente descuidando, deixando de usar máscaras em alguns locais”, afirma. Ela reforça que mesmo pessoas vacinadas contra a doença devem manter medidas não farmacológicas. “Estar vacinado não exclui que a gente mantenha o uso de máscaras”, frisa. A especialista alerta que os hospitais não querem passar pelo mesmo cenário do início do ano, considerado o pior momento da pandemia.

A exemplo do alerta da Organização Mundial da Saúde (OMS), Carina destaca que a variante ômicron não deve ser subestimada. “Já teve óbitos no país (por conta da variante). Com muitos casos de uma doença, alguns vão ter quadro agravado e vão morrer”, justifica.

Correio do Povo

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Crime foi registrado no Bairro Vale dos Pinheiros

As duas vítimas fatais estavam em uma Parati com placa de Cruzeiro do Sul

Estado também terá o avanço de ar frio e seco neste final de semana

Após vitória com autoridade, Colorado é terceiro colocado, com 24 pontos e segue na caça aos líderes da competição