Giro do Vale / Coluna do Chimarrão

Centenas de médicos cubanos que estavam no Brasil pelo programa Mais Médicos iniciaram, nessa quinta-feira (22), o retorno para o país caribenho. Até o fim da noite, dois voos partiram do Distrito Federal com destino a Havana, em Cuba.

A expectativa é de que cerca de 400 profissionais de saúde – que atuavam em diversas regiões do país – façam escala no Aeroporto Internacional de Brasília. Os voos foram previstos para decolar às 22h de quinta e às 2h desta sexta (23).

O check-in do primeiro grupo começou às 17h, em uma área do aeroporto destinada aos voos fretados (charters). Na bagagem, os cubanos levavam muitos aparelhos eletrônicos, televisores, roupas e até animais de estimação.

Em muitos casos, os cubanos chegavam ao Aeroporto JK em caminhões-baú, usados tradicionalmente para mudança. Em um dos veículos foi registrado mais de 100 aparelhos de televisão.

O presidente eleito Jair Bolsonaro anunciou nessa quinta-feira (22) o professor e filósofo colombiano Ricardo Velez Rodriguez como futuro ministro da Educação. Segundo Bolsonaro, o futuro ministro é autor de mais de 30 obras e atualmente é professor emérito da Escola de Comando do Estado Maior do Exército.

Ainda de acordo com Bolsonaro, Rodriguez é mestre em pensamento brasileiro pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ); doutor em pensamento luso-brasileiro pela Universidade Gama Filho; e pós-doutor pelo Centro de Pesquisas Políticas Raymond Aron.

Nos últimos dias, circularam os nomes de Guilherme Schelb (procurador da República) e de Mozart Ramos (diretor do Instituto Ayrton Senna) para o Ministério da Educação. Segundo Bolsonaro, a escolha para a pasta seria de um “bom nome técnico”.

O futuro ministro da Economia Paulo Guedes indicou o nome do economista Rubem Novaes para a presidência do Banco do Brasil. Para a presidência da Caixa Econômica Federal, o nome indicado por Guedes é o do também economista Pedro Guimarães. Os dois nomes já foram submetidos ao presidente eleito Jair Bolsonaro e devem ser anunciados ainda nesta quinta.

O governo federal anunciou ontem um corte de R$ 2,3 bilhões no Orçamento para conseguir cumprir a meta fiscal de 2018. A informação consta do relatório bimestral de avaliação de receita e despesas da União, divulgado pelo Ministério do Planejamento.

A meta estabelecida pelo governo para este ano permite um déficit primário (despesas menos receitas, sem considerar a despesa com o pagamento de juros) de até R$ 159 bilhões. No entanto, os cálculos atuais apontavam para um “rombo” de R$ 161,359 bilhões. Por isso, há a necessidade de contingenciar recursos do orçamento.

“As estatísticas fiscais apuradas até outubro de 2018 e as projeções de receitas e despesas primárias para o corrente ano, presentes neste relatório, indicaram a necessidade de redução de R$ 2,359 bilhões nas despesas discricionárias [não obrigatórias]”, diz o relatório.

De acordo com o documento, as atuais projeções apontam para uma receita líquida R$ 4,470 bilhões menor do que o previsto anteriormente. A explicação é uma queda na arrecadação de impostos, como o Imposto de Importação (II) e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Reflita: O mestre disse: Por natureza, os homens são próximos; a educação é que os afasta. (Confúcio)

Ainda não há comentários

Envie-nos o seu comentário

Publicidade

Últimas Notícias

O Fiat Uno azul, placa IGJ 8492, de Arroio do Meio teve perda total

veículo estava abandonado na Rua Henrique Schmidt, bairro São Francisco

Teste do bafômetro acusou 0,67 miligramas de álcool por litro de ar expelido

Após registro na Delegacia de Polícia, o indivíduo foi recolhido ao presídio