Giro do Vale / Coluna do Chimarrão

A situação da insegurança pública e da impunidade no país tem deixado em alerta as autoridades e por outro lado tornado muito difícil a vida do cidadão de bem, pois não há mais dia ou hora para que ocorra assaltos, arrombamentos, enfim toda a ilicitude de toda ordem contra a vida da sociedade.

Nas últimas semana entretanto, percebo e penso que a própria população deve estar também notando que o cenário está sofrendo uma mutação como que repentina pós eleições, ou seja, a sociedade não só acordou, como também os organismos de segurança estão atuando de uma forma que deve fazer pensar duas ou mais vezes de parte da bandidagem essa ação desenfreada e que atenta contra a população.

As notícias que colhi de acontecimentos em alguns pontos do país e mais recentemente ontem aqui no RS em uma pequena comunidade começam a servir de exemplo do que poderá eclodir a partir de janeiro, quando deverá ser implementada uma nova política para pôr no lugar a ordem pública.

O Brasil não suporta mais os fatos criminosos que colocam atrás das gradas a população que cada vez mais está com medo de ter atingida a sua integridade e quero acreditar assim como a maioria da população que o novo governo do país vai empreender um grande trabalho para acabar com a impunidade criminosa que grassa pela nação.

Hoje a segurança está ameaçada em todo o país do Oiapoque ao Chuí e apesar das ações das forças de segurança, os resultados são na maioria das vezes são de fuga da bandidagem e a pilhagem feita em bancos e empresas mais especialmente, têm sumido e isso dá uma demonstração de força dos ladrões.

Mas como registrei acima, o cenário, com o se aproximar da posse do novo governo com um perfil de grande austeridade e com uma forte camada de inteligência na indicação de nomes, muitos com experiência na área militar e também judicial, abre uma janela de esperança para a população que acreditou ter ainda uma luz no final do túnel para o restabelecimento da lei e da ordem.

Tenho discutido com muitas pessoas a respeito da situação atual e da expectativa a partir do novo ano com uma visão totalmente diferente dos governos que passaram pelas últimas três décadas e a impressão que se tem é das melhores, ou seja, existe a confiança popular de que o Brasil tem jeito sim e o que não foi feito até então deverá acontecer paulatinamente e as rédeas dos valores deverá ser retomada.

Se diz também que haverá violência a partir de janeiro. Mas essa realmente não é possível entender, pois ouvindo atentamente a fala do novo Ministro da Justiça que assumirá com o novo governo, ele foi claro em apresentar estatísticas de mortes violentas de diversas ordens, onde sacrificados foram muitos inocentes, estando o número em milhares de vidas apenas num ano o que foi considerado um estado de guerra dado ao volumoso número de óbitos. Então o que seria isso se não violência.

Por fim, espero como os brasileiros de bom senso e cansados de tanta violência, infringir das leis e contínua impunidade de verdadeiros grupos armados e facções as mais diversas por esse país afora (sem contar os bandidos de colarinho branco que dizimaram com a economia do Brasil), que a casa comece a ser colocada em ordem e que a lei tome bandido como bandido e cidadão de bem como tal.

Sem essa de direitos humanos, pois afinal de contas isso deverá haver sim mas para humanos direitos e não facínoras protegidos por uma entidade que a bem da verdade tem é defendido quem deveria estar atrás das grades, por espalhar o terror no seio da sociedade.

Então, esperemos que janeiro seja realmente o início de um novo norte e como disse uma autoridade, teremos uma nova proclamação da república e assim o povo deverá ter, no correr dos anos, com uma gestão patriota e não oportunista como até então, uma constituição que será regida para todos com seus direitos e deveres. Assim quero ver nosso Brasil retornar para os trilhos, com ordem e justiça linear a todos.

Ainda não há comentários

Envie-nos o seu comentário

Publicidade

Últimas Notícias

Corpo estava próximo ao Rancho Bonanza

Trio armado rendeu as duas pessoas que estavam no veículo

Regiões mais afetadas são monitoradas pela RGE e pela RGE Sul