Giro do Vale / Entrelinhas

Juliano_cabeçalho

 

Cobertor curto gera insegurança

 

Vejo tantos comentários a respeito da segurança em Bom Retiro do Sul. Alguns sem conhecimento de causa, outros de pessoas que foram punidas justamente por estarem a margem da lei.

Cobram do Executivo e do Legislativo municipal, e com razão, pois esses também devem zelar pela segurança da cidade, porém não se pode dizer que estes não fazem nada. Já foram realizadas várias reuniões destes dois poderes com os comandos da Brigada Militar e da Polícia Civil para reivindicar melhorias, em especial reforço no efetivo.

Nem prefeito, nem vereador irá por uma faca no pescoço de quem comanda a polícia para exigir a melhora, e isso também não resolveria.

É preciso entender que há anos o Rio Grande do Sul não investe em uma política de colocação de policiais nos postos de trabalho. São realizados concursos, alguns são contratados, mas com a defasagem que se acumulou ao longo de anos essa conta é difícil de ser finalizada.

O Estado hoje vive o efeito “cobertor curto”. Se puxa de um lado, descobre o outro. E isso somado a um conjunto de Leis retrogradas e outros fatores mais, acaba gerando o aumento da criminalidade alimentada pela certeza de impunidade o que acaba causando todo esse clima de insegurança na cidade.

Reuniões de gabinete não resolveram até então. Que se faça uma audiência pública onde a comunidade exponha a sua insatisfação e acima de tudo a necessidade urgente de se colocar em prática uma alternativa que torne novamente esta cidade num Bom Retiro, em se tratando de segurança.

Comentários

  1. Marcelo disse:

    Bom dia Juliano.

    Tenho acompanhado ainda que distante, o atual problema que o município vem enfrentando e que tanto tem preocupado nossos munícipes e governantes: “a segurança pública”.
    Vejo muitas manifestações, sejam elas coletivas ou individuais a cerca deste tema, no entanto, não vi, talvez porque esteja distante, nada de concreto acontecer até o momento. Vi tão somente, discursos e reuniões que não visam ir ao cerne da questão, “A ORIGEM E RAZÕES PARA O CRESCIMENTO DA CRIMINALIDADE”. Fator que poderia ajudar a compreender as motivações dos crimes que tem ocorrido e buscar uma solução concreta e definitiva para o problema.
    Já vi falarem em instalação de três câmeras de monitoramento. Parceria público-privada entre Prefeitura e ACIAB. No entanto, questiono, quem realizará o monitoramento? Ou estas imagens somente serão utilizadas após a prática do delito, quando já tivermos uma vítima com sequelas emocionais irreversíveis ou quiça, mal pior?
    Para monitoramento constante (24hs dia), são necessários cinco pessoas, respeitando assim a jornada de trabalho estabelecida por lei. Quem fornecerá esta mão de obra? Polícia Civil? Polícia Militar? Município? Aciab? Creio ser mais razoável empregar estas cincos pessoas no policiamento nos horários críticos.
    Quem será efetivamente beneficiado pelas câmeras? Segundo informações, estas seriam instaladas na Rua Sen. Pinheiro Machado, logo, atenderá basicamente o comércio. O munícipe em geral não seria contemplado por tal mecanismo de segurança. E não adianta dizer que facilitaria a identificação do delinquente, não irá contribuir sequer para isso. O delinquente se move pela periferia, e não pelas vias mais movimentadas.
    É justo sim proteger o comércio, mas quem irá operar a ferramenta? Retiraremos das ruas os raríssimos policiais, para colocá-los em uma sala com aparelhos de televisão? Será esta a solução para a segurança de nossos munícipes? Creio que não.
    Só se combate o crime com inteligência e muito trabalho. A câmera de monitoramento pode ser um instrumento para assessorar a inteligência, mas não como meio para acabar com o crime.
    O crime tem uma história, um início, um meio e poderá ter um fim, se soubermos escrevê-lo.
    Você acredita que as pessoas escolhem ser criminosas? Que tenham de fato, optado por viver do crime? Talvez sim, uma ou outra pessoa. A grande maioria das pessoas que entram na vida do crime, não optaram, foram jogas para dentro por inércia do Estado, dos seus gestores e também por culpa nossa, que pomos a margem da sociedade pessoas que não tiveram oportunidade e que encontraram no crime e na droga sua única oportunidade de sobrevivência.
    Não fosse sua escolaridade e suas oportunidades, o que seria você capaz de fazer para por uma migalha de pão na boca de seu filho???
    Não tivesse nossos filhos uma vaga na creche, que nos permitisse trabalhar para sustentá-los, como proveríamos o pão? Sabemos que hoje, existem inúmeras mães impedidas de trabalhar em razão da falta de um lugar para deixar seu filho.
    O que o poder público tem feito para impedir este fenômeno? Quantas vagas de creche criamos nos últimos anos? Quantas vagas de emprego? Quanto gastamos em remédios, cirurgias e tratamentos? A falta destas necessidades básicas é a grande responsável pelo aumento da criminalidade.
    Talvez vocês me digam, mas os delinquentes são de fora do município…Sim, boa parte são. Pois a falta de serviço público acorre em muitos lugares. Mas a criminalidade age onde falta também a segurança pública. Quando o cerco aperta em Teutônia, o delinquente respinga para outro lugar. E chegou a vez de respingarem para Bom Retiro do Sul.
    Me lembro, que há não muito tempo, empresários locais fizeram audiência pública na Câmara de Vereadores e no auditório da Prefeitura, porque a Brigada Militar estava sendo muito rígida, autuava, prendia, abordava e revistava. Sugeriram o afastamento do comandante na oportunidade, agrediram policiais, encaminharam requerimentos ao Comando Regional de Policiamento Ostensivo (CRPO) para transferir os policiais mais rigorosos.
    A consequência daqueles atos, refletem nos de hoje. Foram embora os policiais malvados e ficaram os bonzinhos. Não houve reposição de policiais, pois policial nenhum quer trabalham em cidades onde não são bem quistos, onde quando anda na rua, são ofendidos, ameaçados e por vezes até agredidos.
    Os problemas que justifiquem o crescimento da criminalidade em nossa querida Bom Retiro do Sul, são inúmeros, mas solucionáveis. A pergunta é, o que estamos fazendo para mudar a realidade, o que estamos fazendo para reincluir estes delinquentes na sociedade e impedir que voltem a delinquir. Tem emprego para ex apenado, analfabeto e dependente? Tem oficina profissionalizante? Tem creche e pré escola? Tem moradia digna? Se não fizermos nossa parte, não resolveremos jamais. Somente amontoaremos os presídios de pessoas que não tiveram oportunidade, que logo ali na frente, retornarão as ruas e continuarão as ações criminosas.
    Encher Bom Retiro do Sul de policiais, até pode resolver temporariamente, mas logo estarão agindo em Fazenda Vilanova, Estrela e em qualquer outro lugar.
    Segurança pública não é simplesmente afugentar o delinquente, assim ele só muda o local de ação. Segurança pública é inclusão social, trabalho de recuperação, geração de emprego, de renda, condições dignas.
    Se não tiver isso, resolveremos hoje, para sofrermos amanhã novamente.
    Obrigado pela atenção, é o que penso!!!

Envie-nos o seu comentário

Publicidade

Últimas Notícias

O homem que montava o cavalo ficou ferido e foi encaminhado ao Hospital de Estrela

Rui Schmidt, 76 anos, conduzia o Monza, na localidade de São José, quando colidiu frontalmente contra um caminhão

Mulher foi capturada pela Brigada Militar quando estava na rodoviária do município

O vento se intensifica no fim da tarde e à noite, especialmente na região Oeste