Giro do Vale / Saúde

Municípios paralisam vacinação pois faltam 263 mil doses de CoronaVac para aplicação da segunda dose no RS

Cálculo foi feito pela Secretaria Estadual de Saúde após municípios anunciarem a paralisação da imunização

Foto: Divulgação

A falta de imunizantes CoronaVac/Butantan no Rio Grande do Sul, especificamente para a segunda aplicação, é estimada nesta segunda-feira, dia 26, em 263,8 mil doses. O cálculo foi feito pela Secretaria Estadual da Saúde (SES), após diversos municípios gaúchos começarem a anunciar a paralisação da aplicação da segunda dose por falta de imunizantes.

Conforme a SES, “faltam 40.470 doses para concluir o esquema vacinal de idosos que receberam doses da remessa distribuída no dia 20 de março” e outras “223.400 doses para as segundas doses da remessa distribuída no dia 26 de março”.

O uso da maioria das vacinas para aplicação da primeira dose, sem reserva de imunizantes para aplicação da segunda dose, é uma decisão tomada pelo Estado do Rio Grande do Sul em parceria com os Conselho das Secretarias da Saúde dos municípios gaúchos. A prática vem sendo adotada pelo governo do Estado desde a segunda remessa de vacinas.

No mês passado, esta passou a ser, também, a orientação nacional, emitida pelo Ministério da Saúde. Em 21 de março o governo federal orientou todo o país a priorizar a aplicação da primeira dose.

Por meio de nota, a SES afirma que Estado e municípios gaúchos “optaram por imunizar o maior número possível de pessoas, priorizando as primeiras doses e planejando a segunda dose em um intervalo de 28 dias, para uma melhor resposta imunológica”. A pasta acrescenta que “o resultado dessa estratégia foi uma maior agilidade na aplicação da vacina na população gaúcha, o que mantém o RS no topo do ranking dos Estados que mais vacinam, proporcionalmente, no país”.

Veja a íntegra da nota da SES

Falta de D2 no RS

No Rio Grande do Sul, faltam 40.470 doses para concluir o esquema vacinal de idosos que receberam doses da remessa distribuída no dia 20 de março. O intervalo preconizado, de 28 dias, deve ser contabilizado a partir do dia da aplicação da vacina, que ocorre de acordo com organização própria dos municípios. A data de 20 de março corresponde à distribuição das doses às 18 coordenadorias regionais de saúde. Nos dias seguintes, já nos municípios, as vacinas começam a ser aplicadas. Também haverá necessidade de 223.400 doses para as segundas doses da remessa distribuída no dia 26 de março.

Desde a segunda remessa da campanha de imunização da Covid-19, a Secretaria da Saúde (SES) e o Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do RS, em pactuações realizadas de forma sistemática após o recebimento das doses, optaram por imunizar o maior número possível de pessoas, priorizando as primeiras doses e planejando a segunda dose em um intervalo de 28 dias, para uma melhor resposta imunológica. O Ministério da Saúde recomendou a aplicação das vacinas integralmente para primeira dose somente a partir da 9ª remessa.

O resultado dessa estratégia da SES foi uma maior agilidade na aplicação da vacina na população gaúcha, o que mantém o RS no topo do ranking dos Estados que mais vacinam, proporcionalmente, no país.

Em função do atraso na entrega de insumos vindos da China ao Instituto Butantan, o Ministério da Saúde não está mais recebendo os quantitativos esperados de vacinas. Ainda não há previsão, por parte do MS, de envio de nova remessa de doses ao RS.

Segundo o Programa Nacional de Imunizações, caso ocorram atrasos, o esquema vacinal deverá ser completado com a administração da segunda dose o mais rápido possível.

GaúchaZH

Ainda não há comentários

Publicidade

Últimas Notícias

Temperatura fica amena na maioria das regiões ao longo do dia

Jean Pyerre marcou de pênalti o único gol do jogo diante do Vitória da Bahia

Restos mortais estavam às margens do rio, na localidade de Chafariz